Praia do Paiva

Tartarugas marinhas nascem na Reserva do Paiva

6 de dezembro de 2016

Associação Geral da Reserva do Paiva realiza monitoramento de eclosão das tartarugas no Paiva

 

 

 

O nascimento dos filhotes ocorre entre 45 e 60 dias após a postura dos ovos, a depender da temperatura da areia da praia / Foto: Divulgação

Ninho possui 122 ovos e tem previsão para eclodir até 10 de dezembro.
Foto: Divulgação
 
 
Começou o período de eclosão das tartarugas marinhas na Reserva do Paiva. Os ninhos que haviam sidos desovados no início de agosto, começaram a dar origem a novos filhotinhos que retornam para o mar. Diariamente, a equipe da Associação Geral da Reserva do Paiva (AGRP) realiza o monitoramento da praia e identifica os pontos de desovas. Atualmente, eles estão realizando o acompanhamento de um ninho, que possui 122 ovos e tem previsão para eclodir até 10 de dezembro.
 
Depois da postura dos ovos, entre 45 e 60 dias, dependendo da temperatura da areia da praia, os filhotinhos nascem e voltam para o mar. No nascimento, o filhote ajuda o outro, com movimentos sincronizados retirando a areia até alcançarem a superfície do ninho. Saem assim do ninho todos ao mesmo tempo, diminuindo o risco de predação individual. O nascimento ocorre geralmente à noite, comportamento orientado pelo gradiente de temperatura da areia, relacionado com a proteção contra predadores. A temperatura da areia é fator determinante na diferenciação do sexo das tartaruguinhas.
 
Este ano, o trabalho de observação da Associação Geral da Reserva do Paiva começou mais cedo, normalmente o período de desova das tartarugas marinhas acontecem no início de setembro. O primeiro ninho encontrado este ano foi localizado, no dia 11 de agosto, em frente ao condomínio Vila dos Corais, e possuía 107 ovos. Já no mês de novembro, no dia 05 de novembro eclodiram 85 ovinhos, em frente ao condomínio Morada da Península. 
 
Periodicamente a equipe de limpeza da praia, treinada para identificar os pontos de desova, observa os rastros e a “cama” que elas preparam para por, abre, conta os ovos, fecha os ninhos em seguida e isola o espaço.  A Associação Geral da Reserva do Paiva iniciou no ano passado um trabalho preservação das tartarugas marinhas, de acompanhamento à desova, que somou em oito quilômetros de praia nove ninhos e cerca de mil ovinhos, das imediações do Parque do Paiva até a Ilha do Amor.