Peru

Peruanos estendem tecidos em montanhas para captar água de neblina

7 de dezembro de 2016

Lima, capital do Peru, é a segunda maior cidade do mundo localizada em um deserto – fica atrás só de Cairo, no Egito.

 

 

 

Peruanos estendem tecidos em montanhas para captar água de neblina

 
 
Lima, capital do Peru, é a segunda maior cidade do mundo localizada em um deserto – fica atrás só de Cairo, no Egito.
 
Com menos de 4 cm de chuva por ano, é comparável à parte mais seca do Saara.
 
A maior parte da água que abastece a cidade vem dos distantes lagos andinos, mas dificilmente chega regularmente nos bairros periféricos, situados nas montanhas próximas do centro urbano.
 
Para melhorar o suprimento de água à população mais pobre, que mora nessas regiões, uma ONG deu início a um projeto ousado: está captando água da neblina.
 
 
 
 
 
A iniciativa se aproveita do fato de que a região de Lima fica coberta por uma neblina espessa por até nove meses ao ano.
 
Abel Cruz descobriu como captar gotículas de água que ficam suspensas nessa névoa: o grupo dele estende grandes de redes de tecido que ficam conectadas a uma tubulação e reservatórios.
 
Por dia, elas são capazes de extrair de 200 a 400 litros de água da neblina.
 
Hoje, 60 redes fornecem água gratuitamente a 250 famílias.