Eslovênia

‘Dragões-bebês’ raros são os novos moradores de aquário na Eslovênia

13 de junho de 2020

Os animais nasceram em 2016, sob os cuidados de cientistas e funcionários da Caverna Postojna, mas apenas agora eles serão expostos para o público.

 

 

 O proteus nada como uma enguia e pode passar dez anos sem comida  — Foto: Dragan Arrigler

O proteus nada como uma enguia e pode passar dez anos sem comida — Foto: Dragan Arrigler
 
 
 
 
Três criaturas aquáticas raras conhecidas como dragões-bebês serão os novos moradores do aquário da Caverna de Postojna, na Eslovênia, uma da maiores atrações turísticas do país.
 
Os animais têm pele rosa-pálido, um corpo longo e fino, quatro pernas e não enxergam. Eles só vivem nas águas de cavernas escuras da região de Karst, no sul europeu.
 
Antigamente, moradores locais acreditavam que as criaturas, que a elevação das águas às vezes levava a céu aberto, eram filhotes de dragões que se imaginava viverem nas cavernas.
 
Em Postojna, a maior caverna europeia aberta a turistas, funcionários conseguiram observar os dragões-bebês nascendo em 2016, mas apenas agora eles serão expostos.
 
"Ficamos empolgados quando os ovos estavam sendo depositados, e depois tivemos milhares de dúvidas: como sobreviverão, com o que iremos alimentá-los, como os protegeremos de infecções?", disse Marjan Batagelj, diretor-gerente da caverna, à Reuters.
 
"A ciência disse que eles tinham 0,5% de chance de sobrevivência… mas conseguimos criar 21 deles", acrescentou. Um total de 64 ovos foram depositados em 2016.
 
Os bebês têm até 14 centímetros de comprimento e chegarão a 30 quando adultos. Eles podem viver até 8 anos sem alimento e têm uma expectativa de vida de até 100 anos.
 
Um laboratório especial foi montado na caverna onde os dragões-bebês estão sendo monitorados antes de serem apresentados ao público.
 
 
 
 
Proteus, uma espécie de salamandra cega que vive na caverna de Postojna, na Eslovênia, é vista em foto de 25 de abril — Foto: Jure Makovec/AFP
 
Proteus, uma espécie de salamandra cega que vive na caverna de Postojna, na Eslovênia, é vista em foto de 25 de abril — Foto: Jure Makovec/AFP