Abelhas

Congresso francês autoriza pesticidas para salvar indústria da beterraba

19 de outubro de 2020

      Assembleia Nacional da França aprovou nesta terça-feira, dia 06 de outubro, um polêmico projeto de lei que permite a reintrodução temporária de pesticidas para salvar a indústria da beterraba. O debate no congresso francês foi acalorado, e o partido do presidente francês Emmanuel Macron, o República em Marcha (LREM), registrou uma longa… Ver artigo

 

 

Congresso francês autoriza pesticida que mata abelhas para salvar indústria  da beterraba

 

Assembleia Nacional da França aprovou nesta terça-feira, dia 06 de outubro, um polêmico projeto de lei que permite a reintrodução temporária de pesticidas para salvar a indústria da beterraba. O debate no congresso francês foi acalorado, e o partido do presidente francês Emmanuel Macron, o República em Marcha (LREM), registrou uma longa disputa entre seus apoiadores na bancada governista. No total, o projeto de lei obteve 313 votos a favor, 158 contra e 56 abstenções, e agora deve ser analisado no Senado francês em uma primeira leitura.
 
No LREM, 32 deputados votaram contra e 36 se abstiveram, um recorde inesperado, enquanto apenas 175 do grupo macronista liderado desde setembro por Christophe Castaner votaram a favor deste texto que prevê a reintrodução desses neonicotinóides, os inseticidas que matam abelhas. A polêmica entre os deputados franceses é claro um sinal de que o “projeto de lei, difícil e importante” não conseguiu conciliar os adeptos da ecologia e da economia, sobretudo entre os apoiadores de Macron, como esperava Julien Denormandie, o Ministro da Agricultura. “Minha posição sobre este assunto não foi difícil de manter no grupo. Todos entenderam”, disse Sandrine Le Feur, deputada do LREM e agricultora de profissão.
 
Toda a esquerda francesa votou em bloco contra o projeto de lei sobre os pesticidas, a maioria do partido governista e do MoDem [centro-direita] a favor, mas a maioria dos grupos estava dividida. “Há votos que fogem da lógica partidária porque participam de escolhas éticas”, argumentou a ex-ministra do Meio Ambiente Delphine Batho, feroz oponente da volta dos neonicotinóides.
 
A nocividade dessas substâncias havia se tornado um consenso durante o exame do projeto de lei na noite de segunda-feira. Mas o deputado macronista Jean-Baptiste Moreau argumentou novamente nesta terça-feira que o projeto de lei era uma “resposta pragmática à situação catastrófica em que a indústria francesa de beterraba se encontra”.
 
 
Reações
 
As reações a esta votação foram imediatamente numerosas: a Confederação Geral dos Plantadores de Beterraba (CGB) da França saudou a “coragem” e a “ambição” do governo Macron. Uma “decisão responsável”, também aplaudida pela produtora de açúcar Cristal Union.
 
Por outro lado, o Greenpeace denunciou uma “grande regressão ecológica”. Um “insulto” à “proteção dos seres vivos”, alertou a associação nacional de apicultura francesa.
 
Para a União Nacional de Apicultura Francesa (Unaf), que emitiu um comunicado oficial a respeito da liberação dos pesticidas, esta reintrodução do produto é “um insulto à apicultura, ciência e proteção dos seres vivos.”