Com a palavra, o leitor

12 de dezembro de 2003

Brasil das Diferenças 1Fiquei verdadeiramente encantada com a capa desta edição e com a foto da mineira Raquel Cohen. Com apenas 15 anos ela teve a sensibilidade de fazer uma imagem tão meiga, tão fantástica e um texto bem apropriado: “O Brasil dos meus olhos é uma criança assustada, mas que nem por isso deixa… Ver artigo

Brasil das Diferenças 1
Fiquei verdadeiramente encantada com a capa desta edição e com a foto da mineira Raquel Cohen. Com apenas 15 anos ela teve a sensibilidade de fazer uma imagem tão meiga, tão fantástica e um texto bem apropriado: “O Brasil dos meus olhos é uma criança assustada, mas que nem por isso deixa de crescer”. De fato, esse é um País de cores e sabores. Gostaria de saber onde posso encontrar o livro Brasil Dos Meus Olhos.
Maria Eduarda Pinheiro – Belo Horizonte – MG


Brasil das Diferenças 2
Pela reportagem que li na FMA esse livro O Brasil dos Meus Olhos deve ser mesmo fascinante. Gostaria de saber onde podemos adquiri-lo. Grata,
Sônia M. Resende – Campinas – SP
NR:
O livro foi feito pela Fiat em parceria com La Fabrica e com o apoio do MEC, patrocinado pela Lei de Incentivo à Cultura. Sabemos que a Fiat irá distribuí-lo pelas escolas e bibliotecas. Aconselho você entrar em contato com a Assessoria de Imprensa da Fiat aí em Belo Horizonte.


Brasil das Diferenças 3
Estou tentando entrar em contato com a Fiat para conseguir este livro que foi a capa da Folha do Meio. Não sei se vou conseguir algum exemplar para colocar na biblioteca da nossa escola. De qualquer for, como sou assinante há mais de oito anos, gostaria de merecer uma gentileza de vocês: me enviem, por favor, mais uns seis exemplares da FMA edição de julho, pois esta página central está verdadeiramente maravilhosa. Obrigado e parabéns.
Profa. Maria da Conceição Vieira – Juiz de Fora – MG


Reforma Tributária 1
É muito bom saber que ainda existem parlamentares preocupados com a questão ambiental. Gostei de ver essa excelente reportagem sobre o meio ambiente na reforma tributária e me chamou a atenção o posicionamento do Partido Verde. Muito lúcido o oportuno, também, o artigo do advogado Leo Pompeu Resende Campos. Gostaria de mandar alguns artigos para sua apreciação.
Franco C. de Almeida Ferraz – Curitiba – PR


Reforma Tributária 2
O mundo é outro, a Terra não é inesgotável, a ambição continua, a depredação corre mais rápida do que a preservação, o salve-se-quem-puder é uma realidade e os rercursos naturais vão se estiguindo. Há que haver punição para quem depreda, degrada e polui e há que haver incentivos para quem preserva e defende a natureza. Que esta Reforma Tributária tenha também seu lado ambiental.
Kátia Cardoso – Curitiba-PR


Parque do Rasgado 1
Cheguei há pouco em Brasília e, vindo de São Paulo. Estou maravilhado com a cidade. Já conhecia a Folha do Meio Ambiente, mas confesso, não era um leitor fervoroso. Ao ler a edição 139, tive três surpresas. Primeiro, duas coisas me chamaram a atenção: os 14 anos do jornal, com o resumo do que foi publicado na edição de julho de 1989, e a mobilização dos brasilienses para a criação do Parque do Rasgado, que fica perto de onde moro. Como meu filho tinha um trabalho na área ambiental para fazer, fui até à redação do jornal e consegui vários números anteriores. Pude lê-los com tranquilidade e fervor. Confesso que tive a terceira surpresa. O conteúdo da Folha do Meio Ambiente é denso, sério e extremamente útil a nós pais que a toda hora estamos ajudando nossos filhos a fazer trabalho de escola. Apenas queria prestar esse depoimento.
Antônio Carlos M. Baptista (por email) Lago Sul – Brasília – DF


Parque do Rasgado 2
Quero cumprimentar o jornal e os personagens que fazem do Parque do Rasgado uma bandeira de luta em prol da qualidade de vida: o ministro Cézar Amaral, o professor Argos de Faro Coelho, a administradora do Lago Sul Nathanry Osório e todos os brasilienses na pessoa do estudante André Gustavo Stumpf Filho. O mundo será salvo por esta nova geração e por crianças, como o André, que não esperam as coisas acontecerem. Estão fazendo a hora!
Rosa A. Cândido (por email) – Brasília – DF


E a pesca?
O governo lançou um pacote de pesca e eu não vi uma linha sobre o tema na edição de julho desse jornal: nem a favor nem contra e nem antes pelo contrário. Afinal de contas, a questão pesqueira não tem relação com o meio ambiente? Não é hora de se discutir um pouco mais sobre a pesca no Brasil? A gente só vê todo mundo reclamar que não existem mais peixe como antigamente…
Reinaldo M. Travassos – Cuiabá-MT
NR:
Você tem toda razão, Reinaldo. Por isso as seis páginas sobre pesca nesta edição


Parque Botânico
Ao cumprimentar-lhes pelo sucesso deste valoroso informativo, gostaria de pedir-lhes uma informação. Na FMA de setembro de 2001, saiu uma nota referente à regulamentação e registro de Jardins Botânicos, dando à Comissão Nacional de jardins botânicos a responsabilidade de elaborar seu regulamento. Em nossa cidade, há anos que estamos com a intenção de criar um parque botânico. Não sabemos se há leis diferentes para jardins botânicos e parques. O parque botânico pelo qual lutamos tem como objetivo o estudo, a pesquisa, o intercâmbio com outras cidades e a educação ambiental. Onde posso conseguir esta regulamentação?
Ely L. De Camargo (bióloga) – Chapecó – SC
NR:
Ely, a regulamentação existe apenas para as unidades nacionais. Tem alguns jardins botânicos que são estaduais ou municipais, aí obedecem as diretrizes do estado ou do município. Caso vocês queiram fazer um miniparque nacional em Chapecó, aí sim, esse mini-parque estará sendo regulamentado pela Lei 9985 de 2000, que criou o Sistema Nacional de Unidades de Conservação. Caso você queira mais informações, aconselho entrar em contato com o Ibama em Brasília, na Coordenação-Geral de Unidades de Conservação, que é ligada à Diretoria de Ecossistemas.
O telefone é: (61) 316-1079 fax (61) 316-1180 e o E-mail: < cgeuc.sede@ibama.gov.br >.


Grande valor
Quero ser assinante da FMA e ter também as edições anteriores, pois preciso estudar alguns temas como água, reciclagem de lixo e saneamento. Tenho o jornal de abril de 2000 que consegui na Prefeitura. Achei a publicação de grande valor. Obrigado,
Graça Maria de Almeida Machado – Marataízes – ES


SOS rio Poti
Estou enviando para vocês o livro A Marca do Tempo em Duas Vidas, de Manoel Soares Martins. Juiz aposentado, Soares Martins nasceu às margens do rio Poti e hoje reside em Crato. O livro, que conta um pouco de nossa campanha SOS rio Poti, na página 42 responsabiliza o município pela destruição do rio.
A Folha do Meio Ambiente documentou na edição 138 o ?Milagre do rio Poti?, com a chuva do dia de São José. Mas para os políticos, não foi milagre, foi castigo, afinal como eles vão fazer um projeto milionário de despoluição se o rio Poti saiu na UTI?
Que em 2004 volte a chover sobre o rio Poti os 248 milímetros que caíram milagrosamente nesse 19 de março.
Vamos salvar o rio Poti. Obrigado pelo apoio.
Sérgio Murilo M. Melo – Campanha SOS rio Poti – Crateús-CE