Indígenas

Indígenas do Brasil e da Colômbia processam controladora do GPA por destruição da Amazônia

3 de março de 2021

Povos acusam o grupo de vender carne bovina ligada à grilagem de terras e desmatamento da floresta.

Por Richard Lough e Dominique Vidalon, Reuters

 

Sob governo Bolsonaro, desmatamento e queimadas na Amazônia aumentaram — Foto: Reuters

Sob governo Bolsonaro, desmatamento e queimadas na Amazônia aumentaram — Foto: Reuters

 

Povos indígenas do Brasil e da Colômbia processaram o grupo varejista francês Casino, controlador do GPA, em um tribunal da França nesta quarta-feira (3). Os indígenas acusam o grupo de vender carne bovina ligada à grilagem de terras e desmatamento na Amazônia, disseram os ativistas envolvidos no processo.

É a primeira vez que uma rede de supermercados francesa é levada a tribunal por desmatamento e perda de terras e meios de subsistência sob uma lei de 2017 da França, que exige que as empresas do país evitem violações de direitos humanos e ambientais em suas cadeias de abastecimento.

O Casino não quis comentar o processo.

O Brasil é o segundo maior mercado do Casino depois da França. As operações na América do Sul representaram 46% da receita do grupo Casino em 2020.