Califórnia

Vale da Morte, na Califórnia, registra 54,4ºC e tem a maior temperatura nos últimos 100 anos

18 de agosto de 2020

O oeste dos Estados Unidos enfrenta atualmente uma onda intensa de calor; especialistas precisam validar leitura do equipamento que foi a maior desde 1913.

 

 

Placa na entrada do Parque Nacional do Vale da Morte, na Califórnia, avisa sobre calor extremo aos turistas — Foto: Steve Marcus/Reuters/Arquivo

Placa na entrada do Parque Nacional do Vale da Morte, na Califórnia, avisa sobre calor extremo aos turistas — Foto: Steve Marcus/Reuters/Arquivo
 
 
 
 
O Vale da Morte, na Califórnia, nunca fez tanto jus a seu nome como no domingo (16), quando registrou 54,4°C na sombra, a terceira mais alta na história do planeta e a maior em 100 anos dos Estados Unidos, segundo o Serviço Nacional de Meteorologia (NWS).
 
"Se verificada, esta será a temperatura mais quente registrada oficialmente desde julho de 1913", afirmou o NWS. Os dados que registram a maior temperatura global em mais de um século, vieram da estação meteorológica de Furnace Creek (Riacho da Fornalha), localizada dentro do parque nacional.
 
Os dados, no entanto, são preliminares e, devido à sua relevância, o índice precisará passar por uma revisão formal antes de ser confirmado, informou a instituição. A estação meteorológica atingiu o ponto máximo às 15h41, horário local.
 
O recorde histórico no Vale da Morte, de acordo com a Organização Meteorológica Mundial (OMM), é de 56,7°C, registrado em 10 de julho de 1913 em Greenland Ranch. Essa leitura é também a mais quente já verificada na superfície do planeta, de acordo com a OMM.
 
O ranking de maiores temperaturas já registradas no mundo segue com os 55°C observados em Kebili, Tunísia, em 1931 e com leituras de 2016 e 2017, nas quais os termômetros chegaram a 54°C no Kuwait e Paquistão.
 
Um "comitê de extremos climáticos" composto por meteorologistas e outros especialistas revisará e certificará os dados, disse à agência France Pressa Dan Berc, do escritório de meteorologia de Las Vegas

 

 

Foto de arquivo mostra turistas nas Dunas de Mesquite no Parque Nacional do Vale da Morte, Califórnia, 29 de junho de 2013 — Foto: Reuters/Arquivo

Foto de arquivo mostra turistas nas Dunas de Mesquite no Parque Nacional do Vale da Morte, Califórnia, 29 de junho de 2013 — Foto: Reuters/Arquivo
 
 
 
 
O oeste dos Estados Unidos enfrenta atualmente uma onda intensa de calor e a estação que registrou a marca no domingo está a duas horas de Las Vegas, um dos lugares mais hostis do planeta durante o auge do verão no hemisfério norte.
 
O serviço de parques nacionais dos Estados Unidos alertou que o Vale da Morte é o mais quente e seco de seus parques e é comum viajantes desavisados morrerem nesta área.
 
 
Validação da temperatura
 
A validação científica da temperatura não é uma mera formalidade. No passado, foram anunciados recordes que posteriormente não foram aprovados. Durante décadas, o recorde mundial de calor foram os 58°C registrados em 1922 em El Azizia, onde hoje é a Líbia.
 
Especialistas da organização meteorológica mundial revisaram essa marca entre 2010 e 2012 e concluíram que foi sobrestimada em 7 graus devido aos aparelhos utilizados e à pouca experiência do observador.
 
Em Las Vegas, explicou Berc, o termômetro eletrônico que registrou a temperatura de domingo foi instalado em paralelo ao antigo termômetro oficial de mercúrio. Por três anos, os meteorologistas comprovaram que o novo termômetro é tão preciso quanto o antigo e desde 2015 ele foi considerado oficial e o de mercúrio foi retirado.