Ninhos de Tartaruga

Equipe registra resgate dramático de ninhos de tartaruga em temporal no ES

19 de dezembro de 2016

Expedição que refaz caminho de naturalista alemão se deparou com situação no litoral do Espírito Santo; trabalho levou quatro dias e conseguiu salvar 60 ninhos.

 

 

O fotógrafo Leonardo Merçon percorria em meados de novembro o litoral de Regência, no norte do Espírito Santo, quando se deparou com uma situação tensa. Assista ao vídeo.
 
Um temporal com rajadas de vento formou ondas grandes, e a maré começou a levar a faixa de areia da praia, ameçando dezenas de ninhos de tartarugas monitorados pelo projeto Tamar, que tem uma base no local.
 
 
Equipe registrou resgate dramático de ninhos de tartaruga em temporal (Foto: Reprodução)
 
Equipe registrou resgate dramático de ninhos de tartaruga em temporal (Foto: Reprodução)
 
 
 
 
"Fomos a Regência em uma expedição para refazer o caminho de um naturalista alemão (o príncipe de Wied-Neuwied, Alexander Philipp Maximilian) que visitou o Brasil há 200 anos. Aí nos deparamos com aquela situação. Tivemos que ajudar", disse Merçon.
 
Ao lado de equipes da Reserva Biológica (Rebio) de Comboios e do projeto Tamar, o time de Merçon se envolveu por quatro dias (17 a 20 de novembro) em um trabalho de resgate dos ovos e transferência dos ninhos ao longo de 37 km de praias.
 
O esforço resultou na transferência de 60 ninhos das espécies cabeçuda (Caretta caretta) e gigante (Dermochelys coriacea), ambas ameaçadas de extinção. Cerca de outros 50 foram perdidos para a maré.
Cada ninho costuma ter aproximadamente 120 ovos.

 

Trabalho levou quatro dias e conseguiu salvar 60 ninhos (Foto: Reprodução)

Trabalho levou quatro dias e conseguiu salvar 60 ninhos (Foto: Reprodução)
 
 
 
O norte do Espírito Santo, ao lado de áreas no Rio de Janeiro e do Nordeste, é a principal região de desova de tartarugas marinhas no litoral brasileiro, por ter areia e água do mar mais quentes.
 
"O ideal é nunca mexer nos ninhos, pois isso pode mudar a temperatura dos ovos e alterar a taxa de eclosão, mas neste caso não havia outra alternativa", afirmou à BBC Brasil a bióloga do projeto Tamar Flávia Ribeiro.
 
"Foi um temporal como nunca tinha visto", disse Antônio de Pádua, chefe da Rebio de Comboios.
 
Para a bióloga do Tamar, tais eventos extremos, como o temporal que levou a faixa de areia embora em Regência, estão se tornando cada vez mais comuns.
 
"Se ocorrem naturalmente ou por impacto das mudanças climáticas, não se sabe."