Poluição

Poluição de comércio internacional matou 700 mil pessoas em um ano, dizem cientistas

30 de março de 2017

Qualidade do ar afeta pessoas que moram próximas, mas também aquelas que vivem a milhares de quilômetros, diz relatório publicado pela revista “Nature”.

 

Fumaça sai de chaminé em usina siderúrgica na China (Foto: REUTERS/Stringer)
 
 
 
 
A poluição atmosférica de indústrias que produzem bens para exportação é ligada a mais de 700 mil mortes prematuras mundialmente por ano. A qualidade do ar afeta tanto as pessoas que vivem a milhares de quilômetros da fonte da poluição quanto as que vivem próximas, disseram pesquisadores nesta quarta-feira (29).
 
Emissões de indústrias na China produtoras de bens para exportação são ligadas a mortes por doenças cardíacas, acidente vascular cerebral e câncer de pulmão nos Estados Unidos, por exemplo, de acordo com relatório publicado na revista "Nature".
 
“Mortalidade prematura relacionada à poluição do ar é mais do que uma questão local e nossas descobertas quantificam a extensão do quanto a poluição atmosférica é um problema global”, disse Dabo Guan, coautor do estudo e professor de economia de mudanças climáticas na Universidade de East Anglia, no Reino Unido.
 
“O comércio internacional está globalizando ainda mais a questão da mortalidade por poluição do ar ao permitir que atividades de produção e consumo sejam fisicamente separadas”, disse Guan em comunicado.
 
O relato é o primeiro a relacionar mortes prematuras mundialmente com comércio internacional, segundo os pesquisadores, e utilizou dados de 2007.