Tartarugas

44 tartarugas morreram no Ceará após aparecimento de manchas de óleo

30 de outubro de 2019

Aves, peixes e um golfinho também foram encontrados mortos com manchas de óleo no litoral cearense.

 

 

Tartarugas cobertas de óleos foram encontradas em praias do litoral nordestino — Foto: Instituto Verdeluz/Divulgação

Tartarugas cobertas de óleos foram encontradas em praias do litoral nordestino — Foto: Instituto Verdeluz/Divulgação
 
 
 
 
 
O Ceará registrou a morte de pelo menos 44 tartarugas desde o fim de agosto, quando a poluição por petróleo cru começou a atingir as praias do Nordeste. Conforme o Instituto Verdeluz, outras oito tartarugas foram vistas encalhadas vivas no litoral cearense no período, das quais duas estavam cobertas pelo óleo.
 
Além de tartarugas, aves, peixes e um golfinho já foram encontrados mortos no Ceará por conta da poluição. Pelo menos 27 praias estão ou foram poluídas no estado, e mais de 200 localidades dos nove estados nordestinos foram impactadas pelo desastre ambiental.
 
O Verdeluz revelou que não tem como garantir a quantidade exata de animais afetadas pelas manchas de resíduos, pois o instituto não possui condições estruturais de realizar a necrópsia dos bichos achados nas praias.
 
A organização faz essa análise dos animais encontrados em Fortaleza e Aquiraz – onde já se verificou óleo no trato digestivo de animais que não apresentavam manchas externas. "Os esforços precisam ser feitos para localizar o óleo ainda no mar e contê-lo antes que chegue na praia", afirma Ícaro Ben Hur, voluntário do Instituto Verdeluz.
 
 
Animais vulneráveis
 
 
 
Ao menos 44 tartarugas morreram com manchas de óleo no Ceará — Foto: Instituto Verdeluz
 
Ao menos 44 tartarugas morreram com manchas de óleo no Ceará — Foto: Instituto Verdeluz
 
 
 
 
Os maiores números de encalhes de tartarugas foram registrados em Fortaleza (14), Aquiraz (10), Aracati (9), Paracuru, São Gonçalo do Amarante e Trairi, com quatro animais em cada local. Entre as espécies encontradas são as popularmente conhecidas como tartaruga verde, tartaruga oliva, tartaruga de pente e tartaruga cabeçuda.
 
"A gente não tem como afirmar se nessa época estão acontecendo mais encalhes porque a gente nunca tinha recebido tantas informações de outros municípios", destaca o estudante de oceanografia Ícaro.

 

 

 

Manchas de óleo que atingem mar no Nordeste chegam na Bahia — Foto:  João Arthur/Tamar

Manchas de óleo que atingem mar no Nordeste chegam na Bahia — Foto: João Arthur/Tamar
 
 
 
 
Ele ressalta ainda que as tartarugas são vulneráveis pelos riscos que o processo migratório impõe e que o contato com óleo intensifica os prejuízos ambientais. "Isso tem um grande impacto para os ecossistemas porque elas têm o seu papel de controle ambiental e de controle de espécies. Por exemplo, a tartaruga verde que se alimenta de algas aqui no Ceará."
 
Toneladas do material derivado do petróleo começaram a se espalhar desde o dia 30 de agosto pelas praias do Nordeste. No Ceará, os primeiros registros começaram no dia 2 de setembro e, desde então, foram retiradas quase três toneladas de resíduos do litoral, conforme a Superintendência Estadual do Meio Ambiente do Ceará (Semace). Os primeiros prejuízos ambientais percebidos foram as mortes de aves e tartarugas marinhas ao longo do litoral.