Parque Nacional da Lagoa do Peixe

Parque no litoral gaúcho monitora animais marinhos

10 de fevereiro de 2016

Lagoa do peixe divulga balanço das ações realizadas ano passado

Arquivo ICMBio/PNLP
 
 
Brasília (26/01/2016) – O Parque Nacional (Parna) da Lagoa do Peixe, unidade de conservação (UC) administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), no Rio Grande do Sul, entre a Lagoa dos Patos e o Oceano Atlântico, acaba de divulgar os dados de 2015 do monitoramento de animais marinhos no interior e entorno da unidade.
 
Durante todo o ano, a equipe do parque contabilizou 159 animais marinhos de diversas espécies vivos e mortos numa extensão de aproximadamente 50 quilômetros de praia. Os mortos foram marcados, medidos e identificados, para efeito de estatística e definição de estratégias de políticas de proteção.
 
Ja os animais encontrados vivos e debilitados foram identificados e recolhidos. Após os primeiros cuidados ainda na UC, foram levados, em seguida, para o Centro de Recuperação dos Animais Marinhos (Cram/FURG), na cidade de Rio Grande (RS). Muitos deles, após recuperação, puderam retornar à vida livre.
 
Da Barra da Lagoa do Peixe até o limite sul do parque (aproximadamente 17 quilômetros de área costeira), o monitoramento é realizado pelo Núcleo de Educação e Monitoramento Ambiental (Nema), por meio do Projeto Mamíferos Marinhos do Litoral Sul. Neste trecho foram encontrados 17 cetáceos mortos, principalmente a toninha (Pontoporia blainvillei), o mamífero aquático mais ameaçado do Atlântico Sul.
 
. Clique aqui para ver, na íntegra, os números do trabalho do monitoramento e aqui para saber mais sobre o parque.
 
Grande biodiversidade
 
O litoral do Rio Grande do Sul possui uma das maiores biodiversidades de fauna marinha e costeira do Atlântico Sul Ocidental, abrigando um grande número de espécies. Dentre os principais grupos, destacam-se as cinco espécies de tartarugas-marinhas, as sete de pinípedes (focas, lobos-marinhos, leões-marinhos e elefantes-marinhos) e as 35 de cetáceos (botos, baleias e golfinhos).
 
Além desses, há também o grupo das aves, que possui 661 espécies registradas no estado. Dessas, aproximadamente 15% são aves de hábitos marinhos e costeiros, incluindo espécies residentes e migratórias tanto do Hemisfério Sul quanto do Hemisfério Norte. O parque possui atualmente mais de 275 espécies de aves registradas, entre migratórias e residentes.
 
Toda essa biodiversidade se explica devido ao encontro de duas importantes correntes marinhas (corrente das Malvinas e corrente do Brasil) no litoral gaúcho, que originam uma importante área de alimentação e reprodução de organismos marinhos.