Amazônia

Vídeos mostram resistência da floresta a 500 anos de ocupação

15 de abril de 2004

O GTA investe na valorização da cultura e no desenvolvimento sustentável da Amazônia


Cinco séculos depois da chegada dos portugueses ao paraíso tropical que mais tarde recebeu o nome de Brasil, essa Terra de Santa Cruz continua encantando e deixando perplexos os estrangeiros que por aqui aportam nas modernas caravelas ou aeronaves do fim do milênio. As formas de extração de recursos naturais não são mais as mesmas, mas os resultados são cada vez mais visíveis: a floresta que cobria milhares de quilômetros ao longo do litoral está reduzida a cerca de 5% do que havia em 1500 e Pero Vaz de Caminha descreveu para o rei de Portugal: as águas dos rios e baías que banham os principais estados do país estão poluídas; a terra continua atendendo ao lema “em se plantando tudo dá”, mas a luta por espaço é cada dia mais difícil e violenta. A floresta amazônica, a parte mais inacessível desse paraíso, ainda pode ser salva.
Para marcar a passagem dos 500 anos da chegada dos portugueses ao Brasil, o Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) está produzindo a série de 12 documentários Comunidades da Amazônia – Transição para o Século XXI, um projeto aprovado pelo Ministério da Cultura, de acordo com a Lei de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet). O presidente do GTA, Claudionor Alexandre Barbosa da Silva, fala sobre os 500 anos do Brasil e a importância da ocupação humana da Amazônia:
“Mesmo que não haja muito o que comemorar, consideramos fundamental o fato de estarmos aqui, com todas as outras ONGs, realizando esse projeto. É importante lembrar que as ONGs que formam o GTA, principalmente as comunidades indígenas representadas pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), afirmam que os povos indígenas não têm o que comemorar, assim como as outras populações da Amazônia. Mas embora tenhamos essa postura crítica, vamos participar das festas dos 500 anos porque somos brasileiros e patriotas.
Sobre a série de documentários Comunidades da Amazônia, o presidente do GTA explica que o objetivo é mostrar a imagem real, no Brasil e no exterior, e chamar a atenção para um ponto muito importante sobre a conservação da Floresta Amazônica: se ainda existe uma Amazônia com a maior biodiversidade da Terra, é porque as populações locais resistem e lutam para que a floresta continue de pé. “Não são só os brasileiros que desfrutam e se alimentam desses recursos. Os produtos farmacêuticos, fabricados a partir de espécies retiradas da Amazônia, beneficiam toda a humanidade.” Com esse projeto, o GTA e a sociedade civil da região demonstrarão qual é a importância da presença humana na Amazônia. “Vamos mostrar nossas histórias, colocá-las ao alcance do grande público. Nas locadoras de vídeos qualquer um enlouquece com quantidade de temas disponíveis que podem ser levados para casa. Mas, sobre nossa realidade não encontramos nada. Até nas próprias novelas, em qualquer canal de televisão, quando os temas são relacionados com a Amazônia pouco têm a ver com o dia-a-dia de nossas populações”, explica Claudionor.


Empresas e instituições investem na conservação
Para realizar a série de 12 vídeos Comunidades da Amazônia – Transição para o Século XXI o Grupo de Trabalho Amazônico (GTA) já está contando com o apoio da Secretaria de Coordenação da Amazônia (SCA/MMA), Rede Amazônica de Televisão, Núcleo de Estudos Amazônicos da Universidade de Brasília (Neaz/UnB) e Ariaú Amazon Towers Hotel. O projeto está orçado em R$ 2,7 milhões, valor dividido em cotas, e as empresas que investirem na série de vídeos recebem o certificado de isenção fiscal, garantido pela Lei Rouanet.
No Estado do Amazonas serão gravados quatro documentários: Índios x Flora – os Guardiães do Conhecimento, Fauna – Paraíso Preservado da Extinção, Mitos e Crenças no Tempo da Globalização e Luta na Fronteira Verde. As equipes de gravação terão o apoio logístico dos escritórios regionais do GTA em Manaus, Teffé, São Gabriel da Cachoeira e Benjamin Constant. O hotel de selva Ariaú Amazon, localizado a cerca de 60 km de Manaus, onde as equipes farão a ambientação, será um dos pontos de partida para as locações em diversos municípios. Há mais de 12 anos, o Ariaú recebe turistas do mundo inteiro que visitam a floresta amazônica e se hospedam no coração da floresta, com o conforto e a infra-estrutura necessárias para o lazer na região.

Mais informações: E-mail: treetop@internext.com.br – Tel.: (92) 622.5000