Arsênico contamina população no Amapá

3 de março de 2004

           A população da localidade de Elesbão, no estado do Amapá, norte do país, estimada em 1500 pessoas, está contaminada por arsênico, utilizado por mais de 20 anos na produção de manganês e lançado nos mananciais hídricos da região. A denúncia foi feita em abril de 99, pela Pastoral da Criança e da… Ver artigo






 

 


       A população da localidade de Elesbão, no estado do Amapá, norte do país, estimada em 1500 pessoas, está contaminada por arsênico, utilizado por mais de 20 anos na produção de manganês e lançado nos mananciais hídricos da região. A denúncia foi feita em abril de 99, pela Pastoral da Criança e da Terra do Amapá, quando tomaram conhecimento de que as águas superficiais e subterrâneas na área industrial da ICOMI, no Município de Santana (AP), estavam altamente contaminadas por arsênico produzido durante a industrialização do manganês. Em outubro/99, exame feito por estudiosos comprovou a presença de arsênico no local. Em seguida houve solicitação de ajuda ao governo do Amapá para que fossem realizados exames para comprovar a contaminação na população. O Laboratório de Química Analítica e Ambiental da Universidade Federal do Pará, realizou a investigação. Os resultados foram divulgados só em novembro passado. 


– 98% das pessoas examinadas apresentaram índices acima do limite recomendado pela OMS; 


– 61% apresentaram tendência à contaminação;


– 15% apresentaram tendência à contaminação crônica; 


– 22% apresentaram tendência à contaminação aguda. 


A denúncia foi encaminhada ao Ministro da Justiça e ao Ministério Público federal e estadual. A exigência é que o grupo CAEMI descontamine a área toda, e repare os danos sociais e ambientais provocados. 


Mais informações: 
ecz@caemi.com.br e jbp@caemi.com.br