Cartas

Com a palavra, o leitor

21 de junho de 2004

Baía de Guanabara Caros amigos da Folha do Meio Ambiente. Excelente a edição que acabo de pegar na Associação Brasileira de Imprensa que fala sobre as nascentes do Velho Chico. Recentemente, quando da eleição do nosso presidente, Maurício Azêdo, conheci o jornalista Silvestre Gorgulho, e gostaria de parabenizá-lo pelo trabalho. P.S – E o dinheiro… Ver artigo

Baía de Guanabara
Caros amigos da Folha do Meio Ambiente. Excelente a edição que acabo de pegar na Associação Brasileira de Imprensa que fala sobre as nascentes do Velho Chico. Recentemente, quando da eleição do nosso presidente, Maurício Azêdo, conheci o jornalista Silvestre Gorgulho, e gostaria de parabenizá-lo pelo trabalho. P.S – E o dinheiro da despoluição da Baía da Guanabara onde foi parar. Alguém poderia dizer?
Toni Marins (jornalista) – Rio de  Janeiro – RJ

NR: Toni Marins: O Programa de Despoluição da Baía de Guanabara já foi objeto de uma série de reportagens da Folha do Meio (edições maio/junho/julho de 2003) e mostrou que em 4 anos foram gastos bilhões de reais para não se despoluir praticamente nada. Esse programa é um verdadeiro fiasco de gestão pública, enquanto a Baía agoniza numa poluição sem fim.

Cantos das aves
Foi com grande alegria para mim e minha família quando, finalmente, pude localizar este site. A razão é uma longa história. Cresci ouvindo um LP de canto de pássaros que meu pai tinha como relíquia.
Por volta de 1979, ele emprestou este disco e nunca mais conseguiu recuperá-lo. Hoje meu pai está acamado, cego mas com sua memória bem viva. Foi quando num dia destes em visita a ele, novamente relembramos aquele LP. Pedi o nome e ele me passou os dados que estão bem vivos em sua memória. Saí à procura e cá estou radiante de felicidade por ter encontrado agora em CD. Quero parabenizar a Folha do Meio Ambiente pela divulgação e ao Dalgas Frisch pela iniciativa. Ainda tenho gravado na memória aquelas músicas que embalaram minha infância.

Letícia Schüler de Paula – letischuler@brturbo.com

Algas vermelhas
Sou fisioterapeuta e estou terminando a especialização na área de Dermato-funcional. Como monografia de fim de curso farei um estudo de caso sobre o uso de algas vermelhas para hidratar a pele de uma paciente com Psoríase. Já procurei artigos na área, mas não encontrei nada a respeito do seu uso em Dermatologia.
Gostaria de contar com os leitores da Folha do Meio  Ambiente que tenham algum material ou indicação de sites ou instituições que possam me ajudar.

Fernanda – ferrazsandro@uol.com.br

Auditoria Ambiental
Gostaria de saber se a Folha do Meio Ambiente já possui informações a respeito das co-responsabilidades das instituições financeiras na liberação de verbas para projetos a serem realizados junto a natureza, exemplo: uma fábrica de cerveja teria que antes provar para o banco que está tudo dentro das normas com uma auditoria ambiental, para aí sim liberar as verbas.
Cláudio – claudiogoianno@bol.com.br

N.R – O que sabemos – e estamos levantando dados para uma matéria – é que todos os financiamento feitos pelo BNDES, para serem aprovados devem passar por uma auditoria ambiental. Mas, infelizmente, ainda nem todas instituições de crédito obedecem esta regra.

Parceria
Solicitamos parceria no que se refere a troca de assinatura da Folha do Meio Ambiente por publicidade em nosso site www.cepecs.org.br. Creio que lutamos pela mesma causa. Sua publicação só irá enriquecer nosso acervo bibliográfico.
Kadu – Diretor-Presidente carlos@cepecs.org.br
NR: Kadu pode entrar em contato com Ivonete Gomes ivonete@folhadomeio.com.br para acertar a parceria.

Reciclagem
A reciclagem é uma alternativa contra o acúmulo de lixo e traz inúmeras vantagens sociais, ambientais e econômicas.  Em 2003, o índice de reciclagem de latas de alumínio no Brasil foi de 89%, o que corresponde a cerca de 8,2 bilhões de latas de alumínio a menos nos aterros sanitários, ruas e rios.  A Alcan foi responsável pelo processamento de 73% do total de latas recicladas no país.
Em 2003, foram economizados com a reciclagem 1.576 Gwh, energia suficiente para abastecer uma cidade de cerca de 1,1 milhão de habitantes. O resultado é a diminuição de desperdício e a preservação da natureza.
A produção de uma tonelada de alumínio reciclado economiza cinco toneladas de bauxita, minério utilizado na produção do alumínio.

Alessandra Carvalho – Alcan

Duas nascentes (1)
Excelente a "suíte" que a Folha do Meio Ambiente deu à reportagem sobre a nascente do Velho Chico, em cujas águas límpidas fomos beber, e que teve grande repercussão, como pudemos perceber na edição de maio do jornal. Ela reforçou também o trabalho de conscientização sobre a necessidade de se preservar as nascentes de todos os rios mineiros, a começar pelo mais conhecido deles. Foi uma grande sacada, essa da nascente histórica e nascente geográfica. Não divide, soma. Uma saída honrosa para qualquer disputa que pudesse haver entre São Roque de Minas e Medeiros, para saber qual município seria o berço do rio. Você praticamente reiventou a "terceira margem do rio", onde poderemos ficar sentados eternamente, em nossa canoa – em paz! Parabéns.
José de Castro – Editor do Caderno Minas do "Hoje em Dia" – Belo Horizonte – MG

Duas nascentes (2)
Só o futuro mostrará aos brasileiros a importância histórica das duas reportagens feitas por vocês (edição de abril e edição de maio) para mostrar a verdadeira nascente do São Francisco. De modo geral, todos os chamados furos dos jornais são de denúncias, com reportagens negativas e fatos que denigrem a vida ou o comportamento humano: roubo do dinheiro público, escândalos financeiros e administrativos, guerras, tráfico de drogas, mortes, compra de votos, etc. Vocês da Folha do Meio Ambiente deram um furo jornalístico com uma reportagem sobre a vida, sobre a descoberta da verdadeira nascente do mais importante rio brasileiro. Parabéns pela qualidade do texto, pela forma didática da apresentação e pela seriedade da informação.
Prof. Penna Sobrinho – São Paulo – SP

15 anos
Pela primeira vez escrevo para vocês da Folha do Meio Ambiente. E o faço com orgulho, pois quero expressar meu contentamento em ler tão interessantes reportagens. Jornalismo é assim, tem que ser feito com seriedade e com boas informações. Mais uma vez parabéns à toda equipe e espero que vocês continuem nos brindando com as preciosas graças de seus talentos.
Edson Trindade – Av. Sagrado Coração de Jesus – Guariba – São Paulo

Parabéns pelo aniversário da Folha do Meio Ambiente. Que este trabalho feito com tanto carinho e seriedade se estenda por muitos anos. Tenha certeza que vocês estão fazendo a sua parte para que tenhamos um mundo melhor!
Flávia Viotti R. Siqueira & Iki  – Brasília – DF

Parabéns a toda equipe da Folha do Meio Ambiente. Desejamos contínuo sucesso em todas suas atividades.
Orlando Pessuti  – Vice-Governador do Paraná

À debutante Folha do Meio Ambiente, extraordinária guardiã da natureza, nossos parabéns. Desejamos   muito sucesso à toda equipe.
José Ferreira – São Lourenço – MG