Cartas

Com a palavra, o leitor

22 de julho de 2004

Uma mata loteadaTenho o privilégio de ler a Folha do Meio Ambiente. Admiro muito o jornal pela seriedade do trabalho que vocês realizam. Sou funcionário da Cooperativa de Laticínios de Teófilo Otoni-MG, empresa que tem responsabilidade com o meio ambiente e já recebeu o Certificado de Boas Práticas Ambientais. Amo a natureza e a biodiversidade… Ver artigo

Uma mata loteada
Tenho o privilégio de ler a Folha do Meio Ambiente. Admiro muito o jornal pela seriedade do trabalho que vocês realizam. Sou funcionário da Cooperativa de Laticínios de Teófilo Otoni-MG, empresa que tem responsabilidade com o meio ambiente e já recebeu o Certificado de Boas Práticas Ambientais. Amo a natureza e a biodiversidade que Deus nos presenteou. Fiquei fascinado, especialmente, com as reportagens sobre a nova nascente do rio São Francisco. Mas o que me leva a escrever é fazer uma denúncia e advertência: resido no Bairro Jardim Floresta, onde tem uma pequena mata que deverá ser brevemente loteada. Ela fica às margens da rua Ewald Mildeddorff. A urbanização tem acabado com alguns sítios adjacentes e esta mata está com os dias contados. Como salvá-la?
Waddington da Rocha Mello – Teófilo Otoni – MG
NR: veja a Boca no Trombone


Educação em Sergipe
Meu nome é Matheus Felizola, sou formado em comunicação e ambientalista, atualmente sou voluntário de comunicação da Cepecs uma ONG sergipana que defende a natureza em nosso estado. Gostaria de contar com a ajuda de vocês e dos leitores da Folha do Meio Ambiente para nos ajudar com material sobre a questão do meio ambiente (livros, apostilas, vídeos, cartilhas, cartazes, etc). Tudo será útil para nosso trabalho de educação ambiental aqui em Sergipe.
Matheus Felizola – Diretor do Centro de Pesquisas e Estudos Científicos e Sociais  – Rua Dos Lírios, 28 – Conj. Beira Rio – Bairro Inácio Barbosa cep 49040-310 – Aracaju
matheusfelizola@infonet.com.br
www.cepecs.org.br


Troca de conhecimentos
Tenho muito interesse em meio ambiente e pretendo me especializar no assunto. Gostaria de ser informada sobre material gratuito, dicas de links interessantes e tudo o mais que puder ajudar na minha formação. Acho muito interessante compartilhar conhecimentos.
Suzimeire Freire – Rua IsauraVergueiro Naufel, 293 – Jardim Mariana
03560-020 São Paulo – SP


Nona Romaria
Li com atenção e carinho as várias edições que vocês nos enviaram. Tenho mostrado e divulgado o jornal junto ao nosso pessoal que trabalha com educação e meio ambiente aqui em Pará de Minas. Todos ficam admirados com a qualidade dos textos. Convidamos toda equipe da Folha do Meio para participar da 9a Romaria das Águas e da Terra que se realizará em Pirapora em primeiro de agosto. Informações: (38) 3531-3583 e 3741-1050.
Vamos em frente. Como diz Dalai Lama, “só existem dois dias no ano que nada pode ser feito. Um se chama ontem e outro amanhã. Portanto hoje é o dia certo para amar, acreditar, fazer e principalmente viver”.
Jackson F. de Paula – Av. N. S. das Graças, 360 – Pará de Minas – MG


Suinocultura
Estou fazendo uma pesquisa sobre tratamento de efluentes na suinocultura, visando a obtenção do gás para utilização como energia. O projeto busca aumentar a eficiência do tratamento, a fim de atender os parâmetros exigidos na legislação ambiental, com menores custos ao produtor. Mas não estou conseguindo financiamento do projeto junto às entidades de pesquisa, portanto, estou tentando divulgar o trabalho e buscar parceiros para financiamento da parte prática.
Aproveito o ensejo para desejar-lhes sucesso na proteção do nosso meio ambiente, com a qualidade de reportagens e divulgação de trabalhos que a FMA vem fazendo. Gostaria de dar uma sugestão: abertura de um canal de divulgação de pesquisas que estão sendo desenvolvidas na área ambiental, para que os pesquisadores troquem experiências e resultados. E que a comunidade fique sabendo o que o meio acadêmico vem produzindo para eles e que possa refletir no uso comum.
Fabiana Santos Vilela – Médica Veterinária – Mestranda da UFMG
em saneamento
Belo Horizonte – MG
NR: Fabiana, obrigado pelo seu e-mail e parabéns pelo seu trabalho. Duas coisas: primeiro, o Centro de Pesquisa da Embrapa Suínos e Aves, em Concórdia-SC (telefone (49) 4428555 e 4428812) tem algum trabalho a respeito e acho que seria interessante você fazer um contato com eles; segundo, achamos muito interessante abrir esse espaço, mas não é fácil obter as informações. Vamos estudar como fazer uma coluna no jornal como esse objetivo.


15 anos
Parabenizo a equipe da Folha do Meio Ambiente pela qualidade gráfica e editorial. Aqui no Rio Grande estamos à disposição para o que se fizer necessário.
Alberto Walter de Oliveira – Chefe da Casa Civil – Porto Alegre – RS


Petrobras
A Petrobras gasta milhões enaltecendo suas conquistas exploratórias e seus recordes, esquecendo de falar a real verdade de como são tratados os brasileiros trabalhodores das empreiteiras (os terceirizados). A Petrobras dá para seus funcionários a jornada de 14 dias embarcados por 21 dias de descanso, enquanto os terceirizados de empreiteiras têm uma jornada de 14 dias embarcados por 14 dias de descanso. O meio ambiente dos mergulhadores está impactado de falta de coerência. Mergulhamos além de 300m de profundidade e não temos direito da igualdade. Somos recordistas de mergulho comercial offshore, geramos riquezas e diversas consolidações da engenharia da estatal, mas não recebemos um tratamento adequado. Estamos mergulhados na falta de nacionalismo (…)  ainda presenciamos a entrada de mergulhadores estrangeiros ocupando nossas vagas.
Luiz Anselmo Soares – Sepetiba – RJ


Amazônia
Poucas vezes li uma entrevista tão sensata e abrangente como a do senhor Marcos Aurélio de Freitas, diretor da ANA, sobre a Amazônia. O diretor da ANA conseguiu mostrar a importância do Brasil no contexto da Amazônia internacional, onde oito países precisam se unir e trocar informações para preservação de uma região única no planeta. Pela entrevista vi a responsabilidade que temos sobre o desenvolvimento sustentado e sobre a gestão de uma riqueza fantástica que é a água dos rios e lagos amazônicos. Cada escola de cada um dos oito países da bacia hidrográfica do rio Amazonas deveria receber este jornal para ser discutido e estudado nas salas de aulas. Sem educação, sem pesquisa e sem apoio governamental para formar esta geração que vem aí, a Amazônia continuará sendo um lugar de cobiça, de ganância e de desperdício. De minha parte, do jornal que consegui no Ibama, tirei xerox da entrevista e dei uma cópia para cada colega da escola.
Prof. Ray V. Rebello – Belém – PA


Amazônia (2)
Gostaria de parabenizar o entrevistado – Marcos Aurélio Freitas – e entrevistadores da matéria sobre a Amazônia. Não imaginava a complexidade do tema e muito menos as implicâncias que tem nos diversos países situados na bacia hidrográfica do rio Amazonas. Achei importante a abordagem econômica e até – nunca havia pensado nisso – com a realidade de não existir nenhuma capital, dos oitos países em questão, situada na região amazônica. Continuem fazendo esse tipo de jornalismo que só constrói. Mesmo criticando ações de poluidores, vocês estão construindo um novo momento brasileiro.
Carla P. Soares – Manaus – AM


Cerrado
Bela foto de primeira página e belo texto sobre os olhos que cercam a natureza. Verdade pura: são muitos mais olhos de cobiça e de ganância do que olhos de proteção. Valeu pela informação em forma de poesia. Tem uma frase no final do texto que gostei tanto que já passei prá frente: “O ar, a água e a própria Terra são presentes que o Homem recebeu de graça e todos têm obrigação de preservá-los, pois, se destruídos, a mais avançada tecnologia não será capaz de repô-los”.
Ana Mary Nogueira – Rio de Janeiro – RJ