Cartas

Com a palavra, o leitor

26 de agosto de 2004

Menina especialGostaria de fazer alguma coisa bonita para todos aí da Folha do Meio Ambiente. Quem sabe algum dia até eu escreva… A única coisa que eu pensei de bom agora foi tirar um xerox da poesia “Pássaro” lembrando sempre do meu relógio com cantos de passarinhos. Minha vovó Maria Adélia faz eu ler tudo… Ver artigo

Menina especial
Gostaria de fazer alguma coisa bonita para todos aí da Folha do Meio Ambiente. Quem sabe algum dia até eu escreva… A única coisa que eu pensei de bom agora foi tirar um xerox da poesia “Pássaro” lembrando sempre do meu relógio com cantos de passarinhos. Minha vovó Maria Adélia faz eu ler tudo que é bonito e importante. Diz que é para meu conhecimento. Ela tem uma pasta com vários assuntos para me ajudar nos trabalhos de escola, como árvores, água, poluição, natureza etc etc. Vou contar uma coisa para vocês. Vou participar, no colégio, da peça “Ser Criança”. Espero que possa fazer tudo direitinho. A professora me deu o papel de princesa. Estou mandando para vocês estas coisas que eu escrevi e que tirei xerox.
O livro “Animais Interiores – Os voadores”, de Evaristo Eduardo de Miranda, eu estou mandando também. Minha vó disse que tem certeza que vocês têm, mas eu pedi a ela para mandar para o senhor Silvestre como lembrança minha. Um abraço a todos e sempre muito obrigado.
Maria Cecília Siqueira Cezário (11 anos)
São Paulo – SP


Da Papuda para a PUC
Senhor Silvestre Gorgulho, essa é a segunda carta que lhe escrevo. Sou grato à sua resposta, à sua cordialidade e também aos jornais Folha do Meio Ambiente que me mandou. Quero continuar recebendo o jornal, pois me apeguei muito a ele pela riqueza de suas informações. Quero também lhe comunicar que fui selecionado no vestibular na Universidade Católica de Brasília. Escolhi estudar Engenharia Ambiental e meu advogado já está negociando com o Juiz para eu freqüentar as aulas, pois preencho todos os requisitos da casa para mudar de um regime fechado para o semi-aberto. Muitos presos na minha situação já foram beneficiados.
Me desculpe por ocupar seu tempo com mais essa carta. Mas, na situação que me encontro, minha credibilidade foi a zero com a sociedade e o senhor me surpreendeu. A cada dia estou conhecendo pessoas boas que de alguma forma querem se mobilizar para ajudar outras pessoas que nem conhecem. Espero seguir seu exemplo e vencer esse restinho de vida que ainda me resta para agradecer à natureza merecedora de tudo e de todas as relações misteriosas da vida. Cordialmente,
Rogério Pereira Pinto – CIR – Papuda Cela 4
Pátio V – 71619-970 – Brasília – DF


Queimadas
Gostaria muito de conseguir algumas matérias que vocês fizeram sobre queimadas. Preciso saber proporções, percentagens e regiões onde mais ocorrem as queimadas no Brasil.
Cristian Ferreira
x_neo_cf@hotmail.com
NR: Cristian, temos feito muitas matérias sobre queimadas. A mais completa saiu na edição 106, de julho de 2000. Nessa edição fizemos uma outra matéria e, talvez, você possa encontrar os dados que necessita.


GRUDEAM
O Grupo de Defesa Ambiental – Grudeam, é uma ONG fundada em 1985, por pessoas preocupadas com a questão da exploração dos recursos naturais aqui na Bahia. Participamos do Cadastro Nacional de Entidades Ambientais, da Rede de ONGs da Mata Atlântica, da Apedema/BA e consideramos a comunicação fundamental para a conscientização das pessoas para a mudança dos padrões de consumo e de produção, tendo em vista o bom uso dos recursos naturais. Vocês não imaginam como a Folha do Meio é importante para nosso trabalho.
Rafael Barbosa – Coordenador Geral do Grudeam – Salvador – BA


Jornalismo
Quero parabenizar a equipe pelo belo trabalho que vem fazendo, que é um exemplo de como produzir um jornalismo de qualidade fora da grande imprensa. Trabalhei, na maior parte do tempo, na grande imprensa diária, mas no início da carreira tive uma experiência que me marcou para o resto da vida na Coojornal – Cooperativa de Jornalistas de Porto  Alegre, a primeira no gênero no país. Sabemos que muita coisa mudou de lá para cá, mas avalio bem a luta que vocês têm travado. Rendo minhas sinceras homenagens aos 15 anos da Folha do Meio Ambiente.
Silvia de Souza Costa –
Visconde de Mauá – RJ


Energia renovável
Li estarrecido na Coluna do Meio que na conferência sobre Energias Renováveis de Bonn, a ministra Dilma Rousseff defendeu grandes barragens como solução energética para os países em desenvolvimento. Que a ministra foi na contra- mão da posição brasileira na RIO+10, em Johanesburgo, quando o Brasil tomou a liderança dos países em desenvolvimento pelas energias renováveis.
“Pelo jeito  nosso País renunciou a uma posição de destaque e de vanguarda, deixando até de conquistar financiamentos para implementação de alternativas sustentáveis”, disse o coordenador de políticas para a América Latina do Greenpeace, Marcelo Furtado.
Marcelo Furtado afirma que os potenciais hidroelétricos não são fontes de energias renováveis! Ora que energia é mais renovável que a energia hidroelétrica, senão a solar? Mas a energia solar ainda não pode ser aproveitada diretamente a custos compatíveis e em quantidades que supram as atuais necessidades.
Veja que o potencial de energia hidroelétrica é constantemente renovado pelo afluxo de novas vazões no rio pelo ciclo hidrológico. E quem é a força motriz do ciclo hidrológico senão a própria energia solar? A própria produção agrícola de combustível  (biodiesel ou álcool ) não são, ou não podem ser considerados totalmente renováveis como a energia hidroelétrica, pois além do sol necessitam  de terras férteis para sua produção.
É claro e concordamos que o aproveitamento hidroelétrico tem problemas. Mas como afirma o diretor da ANA, Marcos Freitas, nesse mesmo jornal, atualmente a ação dos órgãos ambientais, da legislação e dos organismos financiadores, têm promovido a melhoria dos projetos das hidroelétricas, reduzindo a área inundada e exigindo melhores condições para as comunidades nativas.
Antonio Luitgards Moura – ANA/Proágua fone (61) 445 5140 – Brasília – DF


Fotografia
Li na última edição da FMA uma interessante reportagem sobre concursos de fotografia que, inclusive, trazia conselhos de alguns fotógrafos profissionais. Infelizmente alguém também gostou da matéria e levou o meu jornal. Como posso conseguir outro? Agradeço.
Sheila – sheilacris02@hotmail.com
NR: Caso você seja de Brasília, pode buscar aqui na nossa redação. Se for de outra cidade entre em contato com Izabel (61) 322-3033 ou busque as informações no nosso site: www.folhadomeio.com.br.


Terra Ronca
Convidamos para importante reunião que acontece no PETER (Parque Estadual de Terra Ronca), área núcleo da Reserva da Biosfera Goyaz-Cerrado. No momento em que a TV Globo exibe uma série de reportagens sobre o Cerrado, glamourizando o homem e a cultura cerratense, mas, como sempre,  omitindo a surrealidade da situação ambiental e social de áreas protegidas e populações locais, gostaríamos de contar em nossa assembléia com a presença da Folha do Meio Ambiente, esse importante e imparcial órgão de imprensa. Data: dias 14, 15 e 16 de agosto, em São Domingos-Goiás.
Edmar Gonçalves – Quarto Eclipse Escola de Fotografia
(61) 595-1218 – Brasília-DF
Thomas Lovejoy
Vi a entrevista do senhor Thomas Lovejoy na VEJA e acabei de ler a matéria que a FMA fez sobre os 25 anos do PDBFF. Já havia lido também uma matéria feita por esse jornal quando ele trouxe, em 2000, alguns secretários de Clinton para visitar o projeto. Gostaria de dizer três coisas: 1) Todo estrangeiro  bem intencionado que vem estudar a biodiversidade brasileira, mais cedo ou mais tarde acaba sofrendo de uma inveja incurável por parte de alguns patrícios; 2) Lovejoy foi muito mais parceiro do Brasil do que os brasileiros dele; 3) Foi muito bom o jornalista Gorgulho salientar em sua matéria que Lovejoy trabalha e estuda uma área que foi devastada e queimada por empresários inescrupulosos que depois da destruição a abandonaram.
Carmem J. Cordeiro
São Paulo-  SP (por E_mail)