Cartas

Com a palavra, o leitor

15 de julho de 2005

Vidros espelhados 1Tenho procurado muitas informações sobre uma questão bem discutida hoje: o impacto ambiental das construções que têm paredes de vidros espelhados. Por favor, preciso de uma ajuda de vocês. Uma das melhores reportagens que já foi feita está, justamente, na Folha do Meio Ambiente. Mas eu não tenho o jornal e gostaria de… Ver artigo

Vidros espelhados 1
Tenho procurado muitas informações sobre uma questão bem discutida hoje: o impacto ambiental das construções que têm paredes de vidros espelhados. Por favor, preciso de uma ajuda de vocês. Uma das melhores reportagens que já foi feita está, justamente, na Folha do Meio Ambiente. Mas eu não tenho o jornal e gostaria de entrar no conteúdo da edição que saiu a matéria. Estou fazendo um trabalho para a faculdade. Como posso ter acesso a essa reportagem que saiu em agosto de 2004?
Fernanda
fernandabananal@yahoo.com.br Tocantins
NR: Fernanda, temos recebido muitos pedidos iguais ao seu. Gostaria de explicar, mais uma vez, que a Folha do Meio Ambiente é um jornal feito por jornalistas profissionais e tem como único suporte financeiro os anúncios e as assinaturas. Tivemos que restringir os acessos livres no site da Folha do Meio, porque estava diminuindo muito o volume de assinantes. Assim, hoje, apenas os assinantes têm acesso ao conteúdo do jornal na internet. Em consideração ao seu trabalho e ao seu esforço acadêmico, vamos lhe encaminhar a edição de agosto/2004.


Vidros espelhados 2
Muito obrigada por seu apoio. Nós apresentamos o trabalho que teve uma boa repercussão. As pessoas gostaram muito, pois realmente o tema é inédito. No início, achei que o trabalho não ficaria tão bom dada a falta de informação mais precisa sobre o tema. Mas com a colaboração da Folha do Meio Ambiente, posso garantir-lhe que ficou maravilhoso. Utilizamos o jornal na apresentação do trabalho e fizemos, até, a divulgação dele, pois é uma publicação séria e muito informativa. Os alunos do curso de Engenharia Ambiental da Universidade Federal do Tocantins ficaram interessados em assiná-lo.
Fernanda
fernandabananal@yahoo.com.br Tocantins


Prevenção à poluição
Sou aluna de graduação do curso de Geografia da USP. Estou pesquisando sobre a Prevenção à Poluição, suas técnicas, aplicações etc. No entanto, estou com muita dificuldade para encontrar material sobre a história desse conceito (onde surgiu, quando, como foi difundido etc.) e sobre o detalhamento de cada técnica. Assim, gostaria de saber se a equipe da Folha do Meio Ambiente ou algum leitor teria como me indicar material que me ajude nesse sentido.
Juliana Freitas – ju_lippefreitas@yahoo.com.br – São Paulo-SP
NR: Juliana, como você é aí da USP, aconselhamos procurar o professor Paulo Nogueira Neto, que é hoje uma das maiores referências no ambientalismo brasileiro. Ele poderia lhe dar uma boa orientação. Nós mesmo, aqui na Folha do Meio Ambiente, quando precisamos esclarecer qualquer dúvida, ligamos para ele.



Desmatamento amazônico
Sobre a matéria do jornalista Edson Gillet, “Lavagem da Madeira” edição 157, de maio deste ano gostaria de dizer que vi aqui em Altamira vários processos de autorizações de desmatamento e fiquei assustado em ver que sempre tinha o mesmo tipo de madeira e a mesma quantidade. Inclusive fui por duas vezes ao escritório provisório do Instituto Seiva perguntar porque sempre era a mesma quantidade de madeira e da mesma espécie.
Os técnicos, em sua maioria alunos da Universidade Federal do Pará, de Altamira, não sabiam explicar. Sei que Deus é perfeito, mas, ele não fez a floresta amazônica homogênia. Minhas perguntas para os técnicos eram estas: Tem como saber quais espécies florestais foram levantadas nos lotes dos agricultores? Para quais municípios foram aprovadas as autorizações de desmatamento? E qual o total de madeira que foi autorizada? Uma outra coisa quantas autorizações foram apresentadas ao Ibama? Se as autorizações foram colocadas no sistema (Sisprof) do Ibama?
Tarcísio
tarcisio.xingu@amazoncoop.com.br


Solicitação
Sou engenheiro civil e trabalho em uma universidade. Mantenho um site de meio ambiente no ar www.gamav.com.br (Grupo de Apoio ao Meio Ambiente e à Vida). Gostaria de saber se posso publicar matérias de vocês. Evidente que daríamos crédito à Folha do Meio Ambiente.
EngºLuiz Eduardo
Fontes Mendes
Grupo de Apoio ao Meio Ambiente e à Vida
mendes@directnet.com.br


NR: Parabéns pelo site que é muito interessante. Pode republicar sim, dando crédito à FMA e ao jornalista que fez a matéria.


Pelos animais
Somos da Sociedade Amiga dos Animais – Soani e pedimos que publiquem nosso manifesto nacional, versando sobre as crueldades praticadas pelo homem contra determinados bichos. Foram identificados oito frigoríficos em MG, RS, PR, CE e DF onde são abatidos mais de 30 mil eqüinos por mês. Estão exportando carne de jegue que é um animal sagrado [por ter levado Jesus para o Egito]. Em 02 de março remetemos todos os documentos para o Procurador Geral da República-Bahia, do Ministério Público Federal. Já enviamos o manifesto também para o presidente Lula e muitas ONGs. Queremos o cumprimento da Declaração dos Direitos dos Animais.
Soani – Sociedade Amiga dos Animais
Salvador – BA
manifestonacionalemdefesados
jegues_soani_ba@hotmail.com


16 ANOS
Dois comentários sobre o jornal. Primeiro gostaria de parabenizar toda equipe pelos 16 anos.  Uma publicação de meio ambiente, alternativa, não ligada a nenhuma empresa ou governo, que já venceu esses 16 anos, é uma publicação vitoriosa. Heróica!  Presidentes da República, neste espaço de tempo, já foram cinco. E a Folha do Meio Ambiente, além do mérito da longevidade, tem outros mais importantes: a consistência e competência editorial, a independência e a humildade.
Nunca vi nenhuma festa e nenhuma badalação para buscar palmas e agrados. Continuem assim. Sou assinante do jornal há pelo menos dez anos e o guardo com carinho, pois é meu principal material didático nas salas de aula.
Em segundo lugar, queria dizer que a matéria “Brasil em Relevo” foi-me muito útil. Não sabia que a Embrapa tinha disponibilizado todo esse trabalho na internet. Naveguei e gostei. Para nós, professores de geografia, não existe nada melhor.
Eunice M. Oliveira – Taguatinga – DF


***
Ao cumprimentá-los pelos 16 anos quero enviar meu abraço a todos jornalistas, colaboradores e, também, aos patrocinadores da FMA. Se não me engano, esse jornal foi pioneiro nesta abordagem ambiental. Imagino o que foram estes 16 anos para vocês. (…) Tenham certeza: vocês construíram um nome de respeito e de bom jornalismo. Mais importante ainda: de cidadania.
Kátia M. Lemos
 Brasília – DF



***
O tempo passa, o tempo voa e a FMA continua sendo uma boa, séria e interessantíssima fonte de informação. A persistência de vocês e o trabalho feito nestes 16 anos (quem acompanhou sabe o que estou dizendo) são dignos de um reconhecimento mais forte da sociedade brasileira. Da minha parte, vocês têm muito mais do que apoio: têm minha admiração pelo profissionalismo com que venceram estes 16 anos.
Profa. Mag V. Antunes     
Belo Horizonte – MG


***
Parabéns a toda equipe do jornal FMA pelos 16 anos de bons serviços prestados ao povo brasileiro, trazendo  as melhores informações e reportagens  relacionados ao meio ambiente.
 Lourdes Gorgulho dos Santos
Itajubá – MG