Cartas

Com a palavra, o leitor

19 de dezembro de 2005

Alguns comentáriosAo ler a Carta ao Leitor, senti necessidade de fazer alguns comentários. Um a respeito do editorial da edição de outubro (Borboletas – flores que voam) – título que achei genial. Me chamou muita atenção uma frase do editorialista que concluiu dizendo: “É duro constatar que o homem, hoje mais rico e mais enfeitado,… Ver artigo


Alguns comentários
Ao ler a Carta ao Leitor, senti necessidade de fazer alguns comentários. Um a respeito do editorial da edição de outubro (Borboletas – flores que voam) – título que achei genial. Me chamou muita atenção uma frase do editorialista que concluiu dizendo: “É duro constatar que o homem, hoje mais rico e mais enfeitado, é antecedido por belas floretas e sempre sucedido por tristes desertos, terríveis secas e furacões”. É a pura verdade. Meditei muito sobre esta frase. O outro comentário, também é referente à Carta ao Leitor da edição de novembro (A gripe aviária e as aves migratórias). Também fiquei pensando muito na frase tanto do Carlos Drummond de Andrade “A liberdade é defendida em discursos, mas é atacada com metralhadoras”. Perfeito! E o editorialista foi muito feliz quando, desta frase fez a correlação: “Meio ambiente também é muito defendido em discursos, programas eleitorais, artigos, mas é violentamente atacado com metralhadoras e motosserras”. Valeu a edição!
Nanda Rodrigues
Goiânia – GO


Alcobaça
Queria saber mais sobre essa Reserva de Alcobaça. Vi o anúncio da Caixa Econômica Federal no jornal de novembro e achei que devia ser alguma reserva no Sul da Bahia, onde tem uma cidade chamada Alcobaça. Mas não é, pois lendo o anúncio vi que a reserva fica em Petrópolis. Será que vocês poderiam falar mais desta reserva? Eu nasci em Alfeizeirão, Portugal, uma freguesia de Alcobaça, e fiquei curiosa sobre esta história. Tive saudades de minha terra que recebeu esse nome (não sei se vocês sabem) por que é banhada pelos rios Alcoa e Baça.
Maria de Fátima Leal – Rio de Janeiro – RJ
NR: Obrigada por sua carta. Veja na página 22 que atendemos seu pedido e poderá saber mais sobre a Reserva de Alcobaça.


Peugeot – Seqüestro
de Carbono

Deixo registrado meus cumprimentos pela matéria sobre créditos de carbono, onde mostra o projeto da montadora Peugeot em  Cotriguaçu, Mato Grosso. A matéria não só é importante ambiental e economicamente falando, mas pela maneira clara e objetiva da repórter escrever, ela ficou leve e explicativa.
Precisava saber mais sobre esta pesquisa que a professora Madeleine de la Veja está fazendo na USP (Pág.13 da edição 163). Para nós é fundamental saber como o método da pesquisadora consegue dimensionar quanto de gás carbônico cada folha está seqüestrando em determinado momento.
Celso G. Dias – Cuiabá-MT
NR: Celso, você tem que entrar em contato diretamente com a pesquisadora Madeleine Barriga Puente de la Veja, no Laboratório de Automação Agrícola  da Escola Politécnica da USP:
Av. Prof. Luciano Gualberto, Travessa 3, nº 158, sala C2-56
Edifício de Engenharia Elétrica – Cidade Universitária
05508-900 – São Paulo – SP
Fone: (11) 3091-5366
Fax: (11) 3091-5294


Gripe aviária
Nossa consideração por este jornal cresce a cada edição. A matéria “A gripe aviária e as aves migratórias” foi extremamente esclarecedora e muito importante por dois motivos: primeiro por explicar o porquê das migrações e como as aves são essenciais para fazerem o controle biológico das pragas; segundo, porque não são as pobres aves migratórias que trazem as doenças, mas sim as importações de animais dos continentes onde existem as doenças. Como produtor rural, como criador e como brasileiro deixo meu reconhecimento e meus votos de um feliz 2006 a toda redação de vocês.
Robson Q. Aleixo – São Paulo


As águas vão rolar…
E, pelo jeito, as águas vão mesmo rolar… Belíssimo trabalho da Embrapa e deste técnico Luciano Cordoval. Fiquei encantado com esta tecnologia simples e de um alcance social, econômico e ambiental muito grande. Um exemplo para muita gente do governo que só sabe fazer discurso, inventar teses mirabolantes, jogar pedra em governos anteriores (tanto federal, estadual e municipal) e curtir as benesses do poder em amplas salas com ar-condicionado ou nos aviões por esse mundo afora. De primeira classe! Faço esta manifestação por saber, com profundidade, o que está acontecendo na Secretaria de Recursos Hídricos do MMA, na Agência Nacional de Águas e na Codevasf.
Um dia, quem sabe, a cobrança da sociedade será implacável. Quem viver verá! Só para comprovar o que estou dizendo, seria bom o jornal entrar em contato com <wojtyla 2006@yahoo.com> ou com o grupo  <fonasc.cbh@grupos.com.br> para contar para os leitores como andam as coisas de verdade.
Pedro Henrique F. Simões
Valparaízo – GO


Barraginhas
Depois que li a matéria sobre as Barraginhas, fiz questão de entrar em contato com a Embrapa, em Sete Lagoas, e já comecei a fazer o experimento nas minhas terras aqui na Bahia. Escrevo por dois motivos: para agradecer a dica do jornal e para dizer que faço questão de acompanhar todo o processo de implantação das barraginhas na minha fazenda, para, daqui um ano, voltar a escrever para vocês contando tudo o que aconteceu. Vou testar a distância e vou informar ao jornal para que outros também possam usar esta descoberta da Embrapa.
J.Carlos B. Viana
Barreiras – BA


Um viva de Budapeste
Sempre que posso, corro até a Embaixada do Brasil aqui em Budapeste para pegar e ler a FMA. Agora que estou sem tempo de fazer essa investida até à embaixada vou ao computador. Temas interessantes e atuais para a formação e entendimento das mudanças globais do nosso planeta Terra. Um viva a todos vocês que mensalmente fazem o jornal e outro viva ao meio ambiente! Aqui, nesta parte da Europa, também tem histórias interessantes sobre meio ambiente que gostaria de relatar. Já tenho três pequenas passagens bem interessantes prontas. Qualquer dia eu mando para vocês.
Jacques
jackesgil@yahoo.com.br
Budapeste – Hungria


Racismo na escola
No ano de 2000 recebi um jornal cujo tema fazia referência à questão do racismo nas escolas. Mais precisamente “Como superar o racismo na escola, na sala de aula…” Apesar de ter guardado esse jornal e, ter-me detido aos detalhes da reportagem, não consegui, na época, sensibilizar o grupo da escola onde atuo sobre a relevância do tema. Esse ano fui convidada a participar de um projeto onde, o primeiro passo é realizar uma apostila, voltada a professores, no sentido a sensibilizá-los à iniciação desse tema. Gostaria de solicitar a permissão para reproduzir a reportagem sobre a superação do racismo na escola, uma vez que há dificuldade de encontrar bibliografia a respeito.
 Regina Lucia Alves de Paula – Orientadora Educacional reginadenise@bol.com.br


História da SNA
Às vésperas do Natal e do Ano Novo, apresento minhas saudações, esperando que a Folha do Meio Ambiente, que há 16 anos presta tão extraordinário serviço, continue e progrida. Presidindo uma centenária instituição que sempre se preocupou com a ecologia e o meio ambiente, e sendo diretor da revista “A Lavoura” que tem quatros páginas em todas os números, firmados pelo Almirante Ibsen de Gusmão Câmara, sinto-me na situação fraterna de cumprimentar toda a equipe deste jornal. Segue em anexo a “História da SNA”, editada pela Embrapa e o último número de “A Lavoura”.
Octavio Mello Alvarenga
Presidente SNA
 www.snagricultura.org.br