Cartas

Com a palavra, o leitor

14 de junho de 2006

Gol Verde 1Queremos parabenizar toda redação pela edição 168. Essa jogada do Gol Verde que vocês fizeram nas páginas da Folha do Meio Ambiente, a matéria e a entrevista com o Klaus Toepfer foram verdadeiros gols de placa.Sinval de Itacarambi LeãoDiretor e Editor da Revista IMPRENSA – São Paulo – SP Gol Verde 2Nunca, em… Ver artigo

Gol Verde 1
Queremos parabenizar toda redação pela edição 168. Essa jogada do Gol Verde que vocês fizeram nas páginas da Folha do Meio Ambiente, a matéria e a entrevista com o Klaus Toepfer foram verdadeiros gols de placa.
Sinval de Itacarambi Leão
Diretor e Editor da Revista IMPRENSA – São Paulo – SP


Gol Verde 2
Nunca, em tempo algum, a mídia brasileira falou tanto de futebol, de jogadores, de torcida, de baladas e de bola como nesta Copa do Mundo da Alemanha. Arrumam tempo, espaço e assunto até onde não tem assunto. Não vi em nenhuma TV, rádio ou jornal uma matéria sobre o programa Gol Verde da Copa. Um mês antes da Copa do Mundo, na edição de maio, a nossa Folha do Meio traz esta belíssima reportagem e entrevista mostrando o esforço da Alemanha em fazer uma Copa sustentável. Queria apenas registrar mais este gol de placa do jornal e lembrar às nossas autoridades esportivas e à nossa mídia em geral que informar é uma forma de educar. Meio ambiente para a grande mídia só vale onde tem crise, tem poluição, tem incêndio e tem crime. Um programa tão positivo como o Gol Verde está fora de pauta. Parabéns à FMA. Um furo mundial e genial!
Juliana S. Garcia
julianagarcia3@zipmail.com.br 
Pousada do Rio Curvo
Iguatama- MG


Gol Verde 3
Será que as autoridades brasileiras prestaram atenção e leram com vagar a edição de maio da FMA, sobre o Gol Verde da Copa? Será que os organizadores do PAN-2007 tiveram tempo de fazer um clipping desta matéria e programar um Gol Verde no PAN do Rio de Janeiro? O programa Gol Verde na Alemanha começou há 10 anos. Olha que as obras do PAN já começaram e ninguém colocou o meio ambiente nos jogos. Isso é Brasil. Muito blá-blá-blá sobre meio ambiente e nenhuma ação.
Maria Rita M. Carrero
Barra da Tijuca
Rio de Janeiro – RJ


Gol Verde 4
Gostei muito da matéria sobre Gol Verde da Copa. Entrei no site www.folhadomeio.com.br mas não tenho a senha para ler a matéria inteira. Estou desenvolvendo um projeto da Copa do Mundo com meus alunos e preciso deste jornal ou da reportagem completa para continuar esse trabalho. O que posso fazer para conseguir?
Sandra Leia  sadreleia2005@yahoo.com.br


Macacu
Solicitamos uma cortesia mensal da Folha do Meio Ambiente, para manter as nossas Unidades de Ensino mais informadas e atualizadas em relação a Educação Ambiental. Vale ressaltar, que somos 46 Unidades de Ensino, e o nosso município detem 80% da Unidade de Conservação dos Três Picos, que tem cerca de 60% de cobertura florestal de Mata Atlântica. Aqui estão: APA da Bacia Hidrográfica do Rio Macacu, APA da Régua, APA Sambe Santa Fé e uma considerável área do Corredor Ecológico. Precisamos muito receber a Folha do Meio, pela grande importância que o jornal tem na formação da consciência ecológica da nossa comunidade.
Marconis Trajano de Jesus
Coordenador de Educação Ambiental/SEMEC
Avenida Governador Roberto Silveira – 146 – Campo do Prado
Macacu-RJ
NR: Há 17 anos fazemos a Folha do Meio Ambiente. É um trabalho que luta pelo resgate da cidadania e ajuda no esforço pela conscientização  e educação e ambiental. Mas, infelizmente, ainda é um trabalho de pouco apoio. Até mesmo porque o jornal vive exclusivamente do que recebe das assinaturas e dos anúncios. Esses são os únicos suportes financeiros do jornal. Por isso, mesmo a contragosto, não podemos fazer nenhum tipo de doação de assinatura.  Para você ter idéia, só a postagem fica em mais de um real por unidade.
 Recebemos uma média de 200 pedidos de assinaturas/cortesia por mês. Não há condição de atender.
Tenho orientado às pessoas que, bem intencionadas, fazem esses pedidos que também busquem uma forma de se apoiar e de dar uma força ao jornal. Como? Simples, conseguindo com que uma empresa ou a prefeitura ou a Câmara Municipal ou até mesmo que um empresário faça estas assinaturas. Ninguém se nega a atender um pedido destes, até mesmo porque o valor é baixo. Apenas R$ 80,00 por ano. Todos os assinantes têm direito ao conteúdo na internet.  É questão de sobrevivência do jornal.


Nestlé X Ambientalista
Recebi a Folha do Meio Ambiente de abril com a interessante e esclarecedora matéria sobre (mais um) episódio envolvendo a Nestlé Waters, em São Lourenço. Muito lhe agradeço. Na semana que vem estarei indo com uma delegação do Consea (Conselho Nacional de Segurança Alimentar) visitar São Lourenço para verificar “in loco” as atividades da Nestlé e a situação das águas daquele Parque. O acesso à água é um direito humano e no CONSEA o colocamos junto com o direito humano fundamental ao alimento adequado e nutritivo. Parabéns pelo jornal (muito bem feito!) e por toda sua luta.
Padre Martinho Lenz, SJ
erradicarafome@cnbb.org.br
Secretário Executivo do Mutirão de Superação da Miséria
e da Fome, da CNBB


 Jornalismo ambiental
Sou de Campinas e estou fazendo meu primeiro ano de cursinho. Como muitos jovens, ainda tenho alguma dúvida sobre qual curso superior devo fazer.  Mas tenho uma certeza: gostaria muito de entrar na área ambiental. Pesquisei o seu site e me animou muito fazer o jornalismo ambiental. Preciso muito de uma orientação para saber como e onde posso pesquisar um pouco mais para tomar esta decisão.
Maurício Kaschel
mauricio_skt@hotmail.com
Campinas – SP
NR: Se você quer fazer mesmo jornalismo ambiental, primeiro se ligue às questões afins: saneamento, efeito estufa, educação ambiental, biodiversidade, florestas, desmatamento etc. Mas, você deve sempre estudar e pesquisar o jornalismo como um todo. É importante entender de política, de economia, de esporte e até das questões policiais. O jornalista completo tem noção de tudo, mas se aperfeiçoa numa área específica. É essencial dominar melhor o tema sobre o qual se escreve.


Borboletário 1
Preciso muito do apoio de vocês. Gostaria de solicitar todo material necessário para criação de um borboletário. Seria possível nos mandar todas orientações, ou mesmo apostilas, para que possamos tocar em frente nosso projeto?
Antônio Marcos Rogini
icarp@terra.com.br
Mogi das Cruzes – SP
NR: Nossa orientação é que você procure o Jardim Botânico de Diadema, aí em São Paulo, que inaugurou um borboletário muito bonito no final de 2005.  O JB de Diadema fica na rua Ipitá, 193. O telefone é: (11) 40597600. Ou procure o próprio Ibama-SP que pode dar mais orientação, inclusive quanto aos investimentos e retorno comercial.


Borboletário 2
Conhecendo o trabalho que vocês aí do jornal fazem em prol da biodiversidade, atrevo-me a procurá-los para pedir uma orientação.
Vivo em Ilhabela, litoral norte de São Paulo. Gostaria de desenvolver uma atividade que ao mesmo tempo tenha sustentabilidade e preserve a natureza. O artigo que me chamou a atenção foi a criação de borboletas com autorização do Ibama.
Será que vocês poderiam me oferecer maiores informações sobre este empreendimento?
Elisa  Guarita – Ilhabela – SP
muitofacil@globo.com
NR: Além de uma visita ao Jardim Botânico de Diadema, como sugerimos ao Antônio Marcos, aqui em Brasília tem um borboletário muito interessante no Jardim Zoológico. Converse com os biólogos de lá. Fone: (61) 33453311 e 3345-3248.