Cartas

Com a palavra, o leitor

13 de junho de 2007

Serra Vermelha 1Como cidadão brasileiro, te-nho profunda a indignação com o que está acontecendo em Serra Vermelha. Daí o motivo de meu email para o jornal. O que está acontecendo na Serra Vermelha é um atentado contra a vida e contra todos os cidadãos desse nosso belo e frágil planeta. Não dá pra acreditar na… Ver artigo

Serra Vermelha 1
Como cidadão brasileiro, te-nho profunda a indignação com o que está acontecendo em Serra Vermelha. Daí o motivo de meu email para o jornal. O que está acontecendo na Serra Vermelha é um atentado contra a vida e contra todos os cidadãos desse nosso belo e frágil planeta. Não dá pra acreditar na hipocrisia que move o processo de desenvolvimento do nosso País, que em nome de uma ideologia (dominante) técnico-científica, pretensamente dona da verdade, permite barbaridades como essa que somos mais uma vez obrigados a engolir. O pior é que somos levados a aceitar que se não fosse isso seria pior. O pior é saber que depois de cortado tudo, nunca mais vamos ter de volta esse patrimônio natural que a natureza levou milhares ou milhões de anos para construir… Nesse caso, eu garanto para vocês que, se a floresta tivesse pé pra andar, com o perigo ela não tinha ficado lá. Salve a nação brasileira e toda fauna e flora cheia de amor!
Mario Rique Fernandes – Mestrando em Educação e Gestão Ambiental – UnB/CDS – Brasília – DF –  riquemario@yahoo.com.br


Serra Vermelha 2
Estão perdendo a postura. Li e reli a matéria sobre a Serra Vermelha, um patrimônio ameaçado. Mais do que indignado com o tal projeto Energia Verde, fiquei mesmo foi com a resposta da assessoria de Imprensa da empresa JB Carbon. Nunca vi tanta coragem para assinar uma nota destas. Pior do que isso, só a justificativa do Secretário de Meio Ambiente (?) do Piauí, Dalton Macambira, dizendo que o projeto é sustentável. As pessoas estão perdendo a postura. Cruz credo!
Souza B. Lima –
Teresina – PI


Serra Vermelha 3
Eu só queria entender: o secretário do meio ambiente do
Piauí, autoridade instituída para defender da natureza, é a favor do desmatamento em Serra Vermelha; o projeto Energia Verde faz manejo da floresta produzindo carvão e desmatando tudo; um funcionário do Ibama, se tornou garoto propaganda do projeto num filme publicitário, que ainda dizia que o representante do Ministério do Meio Ambiente apoiava o empreendimento. Entendi: definitivamente, chegamos ao fundo do poço. Uma vergonha!
Mércia Salles – A.A.Jovem Teresina – PI


Seriedade
Admiro o trabalho de todos vocês aí da redação pelo idealismo e pela dedicação em oferecer ao Brasil, através do jornal, a oportunidade de um debate sério sobre nossos problemas ambientais. O conteúdo da Folha do Meio Ambiente está sempre sintonizado com o que há de mais atual sobre o tema. Meus parabéns!
José Carlos Carvalho –
Secretário de Meio
Ambiente de MG


Na sala de aula
Estamos na semana do Meio Ambiente e estou sempre me atualizando com o jornal para dar minhas aulas. Gostaria, se fosse possível, que vocês me enviassem algumas frases para eu trabalhar com meus alunos e para que os alunos trabalhem, depois, com suas famílias e comunidades onde estão inseridos.
Dayabe – dayane_caprony@hotmail.com
NR: Parabéns pelo seu trabalho. Por email, vamos lhe enviar uma pequena coletânea de todas as frases que usamos nas edições da Folha do Meio Ambiente durante estes 18 anos. A maioria é sobre água. Veja, leia e abuse de sua criatividade. Para os leitores da edição impressa, vai apenas um lembrete, para prestar atenção no tempo de decomposição de alguns materiais, geralmente jogados em áreas abandonadas, nos rios e mares:


Papel: de 3 a 6 meses
Pano: de 6 meses a 1 ano
Filtro do cigarro: 5 anos
Chiclete: 5 anos
Madeira pintada: 13 anos
Nylon: mais de 30 anos
Plástico: mais de 100 anos
Metal: mais de 100 anos
Borracha:  indeterminado
Vidro: 1 milhão de anos.


Plantio de árvores
Gosto de acompanhar iniciativas para o bem. Eu acho muito legal o projeto de plantar 100 mil árvores por ano, o vai ajudar muito a preservação dos rios, o meio ambiente em geral e vai dar uma força na luta pela sobrevivência do planeta, do homem e da vida.
Adrienne -adriennegodinha@yahoo.com.br


Orientação
Estou muito preocupado com as atuais revelações sobre as consequências que o aquecimento global trará para a existência do nosso planeta. Tenho até pensado em abandonar minha área de trabalho atual – Comércio Exterior – e migrar para a área de estudos do meio ambiente. Tenho visto que a Noruega tem se envolvido em vários projetos contra o aquecimento global, porem não tenho encontrado maiores informações. Vocês aí da redação poderiam me recomendar alguma organização naquele país, que me possa fornecer maiores detalhes sobre os projetos em andamento?
Felipe Biancardi
NR: Existem muitas ONGs na Noruega que trabalham nesta área. Aconselharia entrar em contato com a Cristina Montenegro, do Pnuma (61)3038-9233 ou com a própria Embaixada da Noruega, em Brasília.      Endereço: SES – Avenida das Nações, Quadra 807, Lote 28, CEP 70.418-900 – Brasília – DF – Fone: (61) 3443 8720 / 22 / 91. E-mail: emb.brasilia@mfa.no


Material didático
Moro e trabalho no município de Pontal do Paraná – litoral do Paraná. Quero saber se vocês indicam material para trabalhar com crianças de primeira a quarta série do ensino fundamental e se fazem parcerias com escolas?
Ana Claudia – aninha-geo@ig.com.br – Paraná
NR: Nós fazemos a Folha do Meio Ambiente, um jornal mensal, que é muito usado como material didático nas escolas. Aliás, tem mais de 15 mil escolas que usam o jornal nas salas de aula. Você pode acessar  online www.folhadomeio.com.br.   Pode também conseguir que a prefeitura, uma empresa ou uma ONG de sua cidade assine o jornal para sua escola.


Lixo nas pousadas
Li a reportagem “Como bem administrar o lixo de pousadas”.
Trabalho numa rede de três pousadas onde queremos implantar a coleta seletiva. Gostaria de saber o nome do livro dessa escritora. E se vocês tem algumas idéias que possam nos auxiliar.
nani.ja@bol.com.br – Morada do Guaruçá – Santa Catarina
NR: a escritora e jornalista Sílvia de Souza Costa tem dois livros sobre o tema: ‘Pousada – como montar e administrar’ e ” Lixo Mínimo – Uma Proposta Ecológica Para Hotelaria”. Você pode entrar em contato com ela na Pousada Terras Altas, em Visconde de Mauá (RJ) ou com a Editora Senac Nacional. Na edição de setembro de 2004, há uma ampla reportagem-entrevista com a escritora Sílvia de Souza Costa.