Cartas

Com a pala­vra, o leitor

21 de maio de 2010

Arte de morar 1Emocionante a reportagem sobre Arquitetura Animal. Fiquei maravilhada com as histórias, as fotos dos ninhos de passarinhos, aquela poesia sobre o ninho do tico-tico que também escutava minha mãe declamar e com a entrevista do Carlos Fernando de Moura Delphim. Com certeza, na minha próxima viagem a São Lourenço vou até Soledade… Ver artigo

Arte de morar 1
Emocionante a reportagem sobre Arquitetura Animal. Fiquei maravilhada com as histórias, as fotos dos ninhos de passarinhos, aquela poesia sobre o ninho do tico-tico que também escutava minha mãe declamar e com a entrevista do Carlos Fernando de Moura Delphim. Com certeza, na minha próxima viagem a São Lourenço vou até Soledade de Minas para conhecer o Museu do Ninho. Se há muita criatividade por parte dos passarinhos para construir seus ninhos, houve também muito talento do jornalista para construir esta matéria.
Simony B. Rattes – Rio de Janeiro – RJ

Arte de morar 2
?… Mas tive muito cuidado / Não toquei com meus dedinhos / Mamãe disse que é sagrado / o ninho dos passarinhos.? O verso de Maria Zalina deu o tom final. Não precisava mais nada. Toda a matéria sobre a Arte de Morar estava perfeita e muito enriquecedora. Pedi para meus alunos fazerem vários trabalhos em classe usando a reportagem como conteúdo. Gostaria de ter mais exemplares do jornal.         
Helena M. Soares  Ribeirão Preto – SP

Arte de morar 3
Esta edição do jornal me trouxe uma alegria muito grande. A reportagem sobre os ninhos dos passarinhos é comovente pela delicadeza, pelo texto, pela beleza e pelas informações sempre muito interessantes. Foram três páginas com gosto de quero mais. Aprendi muito e, tenham certeza, já estava encantada com o livro do Dalgas Frisch (Aves Brasileiras) que ganhei de uma amiga, agora os passarinhos ocupam uma lugar ainda mais especial na minha vida.      
Clarisse J. Albuquerque – Recife – PE

James Cameron
Me desculpe, Mr. James Cameron. O país que o senhor mora já acabou com as florestas e com os índios. Não me venha aqui dar palpite, impedindo que o Brasil encontre seu caminho de desenvolvimento. Belo Monte é uma necessidade dentro da estratégia de produção de energia limpa. Os índios que moram no Xingu vão é ganhar muito com os royalties. Seu filme Avatar é muito bom. Gostei da mensagem e da fotografia. Mas uma coisa é uma coisa e outra coisa é outra coisa, como dizia o líder do PT.
Salzy F. Brandão – Belém do Pará – PA

Cavalgada do mar
Uma vergonha essa tal de Cavalgada do Mar que acontece no Rio Grande do Sul. Sabia do ?esporte? gaúcho dos caçadores de aves, e sabia também da Farra do Boi em Santa Catarina. Mas esta modalidade de esporte de sair em disparada por mais de 200km de praias, não conhecia. Foi bom o jornal destacar esta prática condenável de atividade exploradora de animais.
Roberto de Assis – Curitiba – PR

Instituto Inhotim
Gostaria de parabenizá-los pela qualidade e seriedade da Folha do Meio Ambiente. Temos todo interesse em divulgar e distribuir o jornal aqui no Instituto Inhotim, onde estão instaladas de forma perene obras de consagrados artistas da contemporaneidade. Nossos jardins são reconhecidos pela sua beleza singular e pela disposição paisagística do seu acervo botânico. Nosso interesse é divulgar e sensibilizar sobre importância da biodiversidade vegetal para a sobrevivência humana. Inhotim acredita que seu papel na comunidade extrapola a esfera de agente cultural e que é necessário criar e potencializar estratégias de desenvolvimento local, preservação do patrimônio e do meio ambiente, geração de renda, turismo e educação.
José André Verneck Monteiro 
joseandre@inhotim.org.br 
Inhotim/Brumadinho- MG

Semanal
Confesso que sempre leio o jornal e acho-o muito interessante. Que tal o desafio de fazê-lo semanal e não mensal, heim? O custo é tão mais alto assim? Para nós leitores, seria uma maravilha!
Castro de Souza – cbsouza@ig.com.br

Presteza
Quero parabenizar a todos pelo presteza das informações e desejar que os sucessos sejam constantes. Parabéns, também, pela forma didática e séria de se abordar os temas ambientais. Em nome de minha família, venho comunicar o novo endereço.
Antonina Ornelas – antoninaornelas@ig.com.br  – Salvador-BA
Material didático
Estou usando e abusando da Folha do Meio Ambiente. Lendo e relendo. Minha escrivaninha é um emaranhado de Folhas. Adoro as crônicas do Jurandir Schmidt.  Ele fala tanto do quintal  dele que estou doida para conhecer!  Agora foi a vez das borboletas! Ainda por cima veio como brinde uma trova do Soares da Cunha. Uma vez, quando estava dando aula numa creche, sentada no chão do pátio da escola, rodeada de crianças, apareceu uma enorme borboleta azul, que imediatamente fez voar a criançada. Depois ficou rodopiando na minha cabeça até voar pro papel e conseguirmos, tanto ela como eu, descansarmos! E assim ela ficou cristalizada no meu poema Borboleta Azul.
Sandra Lopes – Rio de Janeiro – RJ

Borboletas
Ao ler a edição 208, na última página tem o belo trabalho de Jurandir Schmidt sobre as Borboletas. O artigo traz uma bela trova, poesia quebrada no segundo verso. Tomei a iniciativa de sugerir ao autor Soares da Cunha mudança do verso para ?Às vezes fico pensando? que acaba com o defeito (se ele aceitar). Queira aceitar meu abraço poético, com uma nova trova sobre as borboletas: ?As borboletas são lindas / Esvoaçando nas ramadas / Lembram saudades infindas / De almas simples torturadas?.
Silva Barreto ?  São Paulo – SP

Sentar e chorar
No início do ano recebi a edição 207 deste jornal e até hoje me intriga a questão de os traficantes de aves estarem utilizando de ?anilhas oficiais?  para esquentar a comercialização de pássaros. Cheguei a duvidar da informação. Se as anilhas são produzidas por um órgão público – ou Ibama ou ICMBio – que tem obrigação de preservar e combater o tráfico de animais, como aceitar que funcionários disponibilizem anilhas estes passaportes à rede do tráfico? Achei que a reportagem que vocês fizeram exagerava. Pois não é que pude constatar este absurdo!? De fato, o ser humano passou dos limites. Ser predador, corrupto e ser embusteiro é algo que parece que vem no DNA. Também, quando se tem notícia de que tem gente que falsifica remédio, que abusa de criança e até que mata seu semelhante pelos motivos mais fúteis, aí é para sentar e chorar… Que raça humana é essa?
Jorge D. Melo – Vitória da Conquista – BA

Deus não é surdo
Aqui perto de casa tem uma igreja evangélica que nos causa o maior problema. Orações em voz alta, cantorias, gritos, música, enfim, um inferno de poluição sonora. Eu li nos jornais que nos três primeiros meses deste ano, o Instituto Brasília Ambiental registrou 148 denúncias de poluição sonora. A maior parte delas é em Sobradinho, Samambaia, Taguatinga e São Sebastião. Mas aqui no Gama também temos este problema. Acho que rezar é um ato intimista. O silêncio é importante para uma oração eficaz. Deus não é surdo, pelo amor do Santo Pai, ouvi-nos!
Argemiro C. Gonçalves- Gama – DF