Cartas

25 de março de 2015

Água: educação e preservação Escrevo por dois motivos. Primeiro para dizer que aproveitei muito a edição de março de 2014, sobre Água, para fazer vários trabalhos com meus alunos. Esta edição precisava ser reimpressa, pois é muito importante. Tive que mandar tirar vários xerox para atender a demanda das aulas de educação ambiental. Um dos… Ver artigo

Água: educação e preservação
Escrevo por dois motivos. Primeiro para dizer que aproveitei muito a edição de março de 2014, sobre Água, para fazer vários trabalhos com meus alunos. Esta edição precisava ser reimpressa, pois é muito importante. Tive que mandar tirar vários xerox para atender a demanda das aulas de educação ambiental. Um dos trabalhos que fizemos foi o conceito de água poluída e água contaminada. Eu própria aprendi com o trabalho da classe. Água poluída é quando está impregnada de contaminantes antropogênicos, não podendo, assim, ser utilizada para consumo humano. A água contaminada também não pode ser consumida e vai causar mortes e doenças na flora e na fauna. A contaminação pode ser química e até biológica.
O segundo motivo de minha carta é para saber se existem mais exemplares da edição 249, de março de 2014, pois gostaria de ter em nossa biblioteca em maior número para consulta de nossos alunos.
Salma T. Rodrigues – Ribeirão Preto – SP
NR: Para aquisição de qualquer edição, por favor contactar Raquel Bernardo por email ou por telefone. Veja o nosso expediente.
 
 
Poluição na China
Acabo de chegar da China. Vi que o Brasil tem uma boa lição a aprender, pois nossos centros urbanos e nossos parques industriais seguem o mesmo caminho. Não podemos copiar a China, onde é uma sujeira só. A busca do desenvolvimento rápido, onde vive um bilhão e meio de gente, faz a China pagar um preço muito alto. Imagina só que o Ministério da Proteção Ambiental da China revelou que 90% das cidades chinesas apresentam índices de poluição atmosférica muito abaixo dos padrões aceitáveis. A revolução desenvolvimentista da China está pagando um preço caro para o Planeta. 
O carvão utilizado para gerar energia é o mais barato do mercado por ser de baixa qualidade. Mas é veneno puro. As companhias siderúrgicas não têm qualquer controle sobre o ‘fumacê’ que inunda as praças e passeios das cidades chinesas. Aí, já viu… Ou usa máscara ou assume a aspiração de um ar venenoso.
Miguel D. Castro – São Paulo – SP
 
 
Expedição Langsdorff
Sigo com interesse as reportagens sobre a Expedição Langsdorff e a cada edição aprendo mais sobre o Brasil e pela aventura de um estrangeiro. Sempre um estrangeiro nos redescobrindo. Até aí, tudo bem. Mas por que nós não aproveitamos dessas descobertas, desses estudos e desses relatórios científicos e culturais para o nosso próprio conhecimento? Nunca vi um relato tão minucioso e tão completo sobre este Brasil desconhecido como a série que estou lendo neste jornal. 
Caio G. Fonseca – Cuiabá – MT
  
 
Bichos do Pantanal
Existe uma campanha de financiamento coletivo que busca apoio para que os pescadores do Pantanal de Cáceres consigam adquirir máquinas de gelo para a Colônia Z2, no Mato Grosso. A iniciativa é mais uma ação do Projeto Bichos do Pantanal, realizado pelo Instituto Sustentar, que busca promover o desenvolvimento local, gerar desenvolvimento e empoderamento das comunidades tradicionais do Pantanal, além de atuar com pesquisas para preservação e conservação de espécies da fauna do Alto Pantanal. A ideia é apoiar os saberes locais e viabilizar as necessidades dos pescadores como uma forma de preservação do Pantanal.
A proposta é também uma forma de resgatar o conhecimento que o grupo detém sobre a natureza única do Pantanal. Para contribuir com essa proposta acesse
 http://bit.ly/1yby7bc
A colônia de Pescadores de Cáceres, formado por 811 profissionais, integra uma das comunidades mais antigas dessa região isolada do país. Por meio da pesca artesanaleles sustentam, em coexistência harmônica com o meio ambiente, cerca de quatro mil pessoas a partir da relação direta com o rio Paraguai e os ciclos que moldaram o Pantanal há milhões de anos.
Juliana Arini – São Paulo/Pantanal 
 
 
Rodeio de Cotiporã/RS
Escrevemos para falar do Rodeio de Cotiporã/RS, onde 5 toneladas de lixo e mais de 20 mil latinhas são descartados pelos frequentadores. Aliás, é grande a quantidade de lixo e resíduos sólidos produzida em grandes eventos, como shows, festas, jogos e rodeios tradicionalistas, Tanto no Rio Grande como em outros estados. A causa é o intenso consumo de bebidas em lata, como cervejas e refrigerantes, além de copos plásticos e lixo de toda natureza. O exagerado consumo de álcool tem predominância entre jovens e adolescentes, resultando em uma geração com muitos alcoólatras. No rodeio de Cotiporã, por exemplo, foram consumidas mais de 20 mil latas de cerveja e refrigerante, em apenas quatro dias. Constatou-se a produção de mais de cinco toneladas de lixo seco, em sua grande maioria latas de cerveja e copos plásticos – a maior parte jogada no chão, apesar das lixeiras no local. Segundo a empresa que fez a coleta durante mais de uma semana, 80 a 90% do material foi reciclado. Grandes eventos exigem um plano de gestão para o lixo, com mais educação ambiental para as pessoas, mais lixeiras com separação prévia de resíduos, orientação aos jovens para o problema do alcoolismo e mudança na cultura das pessoas no que se refere ao consumismo. O uso deve ser consciente, pois a sustentabilidade do planeta começa pelas boas ações de redução, reutilização e deposição final adequada do lixo.
VanguardaAbolicionista.com.br
 
 
 
 

 
Tonhão do Rio Preto
Escrevo para parabenizar o Parque Estadual do Rio Preto pelo excelente estado de manutenção e de manejo. Sou ex-Diretor de Manejo do ICMBio, ex-Chefe do PN Tijuca e membro da UICN há 20 anos. Durante minha vida, visitei mais de 700 Parques e posso garantir que este está entre os melhores mantidos em que já estive. Visitei o Rio Preto no Carnaval e saí de lá muito feliz. Feliz mesmo! Em meio ao absoluto descaso e abandono geral das UCs brasileiras, o Rio Preto salta aos olhos como uma exceção. Apesar da guiagem obrigatória, que considero uma violência com o usuário experiente, posso dizer que, em minha opinião, o Rio Preto é hoje o Parque mais bem manejado do Brasil. PARABÉNS!
Pedro da Cunha e Menezes
cunhaemenezes@gmail.com
 
NR – Antônio Augusto de Almeida [ou simplesmente Tonhão]é gerente do Parque Estadual do Rio Preto, em Minas Gerais. Tonhão sempre enfatiza que o diferencial está em sua equipe de apoio, entusiasmada e comprometida com a preservação do Parque e seu entorno. Mas a equipe é um reflexo de quem a escolhe! O Parque protege as nascentes do Rio Preto e seus recursos naturais. A unidade integra as Unidades de Conservação do Alto Jequitinhonha e promove desenvolvimento sustentável da região.