Coluna do Meio

12 de outubro de 2009

regina@folhadomeio.com.br

Robert Costanza, pesquisador de economia ecológica


“Não vai ter comprometimento da economia, se o governo levar mais em conta o meio ambiente e pagar para que os habitantes da floresta possam preservar a natureza. Isso é que vai garantir a qualidade de vida e não o crescimento do PIB”.


De Robert Costanza, pesquisador de economia ecológica na Universidade de Vermont (EUA), sobre o pagamento de serviços ambientais com vista a preservação.


Boiada
• O mote é antigo: aonde a vaca vai, o boi vai atrás.
• O grupo JBS Friboi vai comercializar e abater nada menos do que 8% dos bois no mundo. O Friboi já era a maior empresa de carne bovina do mundo, com a aquisição da Pilgrim’s Pride, se tornou agora a maior empresa global de processamento de carnes.
• A capacidade instalada do grupo é abater 90,39 mil cabeças de gado por dia.  Atenção Friboi: se não cuidar do meio ambiente, o boi pirata pode levar a vaca vai é pro brejo…


Agricultura com crédito carbono
• Uma notícia importante: o sequestro de carbono chegou à agricultura. Ou seja, existe tecnologia para minimizar o impacto ambiental do setor. Como? Pelo manejo correto do solo.
• Práticas agrícolas como o plantio direto, a rotação de culturas e a agricultura de precisão podem em breve credenciar o setor a vender créditos de carbono no mercado internacional.
• A explicação é do pesquisador Carlos Eduardo Pellegrino Cerri, da Esalq-USP: “Os atuais 26 milhões de hectares de culturas que utilizam o plantio direto em todo o País são responsáveis pelo sequestro de pelo menos 13 milhões de toneladas de CO2 ao ano”.
• É bom saber que a agricultura responde hoje por cerca de 30% das emissões de poluentes do Brasil.


O negócio é ser verde
• Élisabeth Laville é especialista em ajudar empresas a implantar políticas de sustentabilidade ambiental.  Para Laville, a sustentabilidade não inviabiliza os lucros.
• E ela explica: veja o caso das empresas de coleta de lixo. Elas vendem a idéia de que são sustentáveis porque tratam o lixo produzido pelos outros. No entanto, seus lucros crescem com o aumento da produção de lixo, o que não é nada sustentável.
• O que essas empresas precisam fazer é criar soluções para faturar com a redução do lixo produzido.  O que elas teriam que fazer? Desenvolver tecnologias que ajudassem as indústrias a desperdiçar menos.


Fazenda de água
• Todos sabem que um rio tem muitas nascentes e cuidar das nascentes garante a qualidade da água e da vida.
• Mas para cuidar das nascentes, requer investimento. Dinheiro! Um dos exemplos mais bem-sucedidos de pagamento por serviços ambientais vem de Nova York (EUA) e de Munique (Alemanha).  Há muito tempo, o abastecimento de água de Nova York é garantido por produtores rurais que possuem propriedades a um raio de até 200km. O mesmo com Munique.
• Funciona muito assim: para garantir o abastecimento humano, o governo fez acordos com os produtores rurais e passou a pagá-los para que adotassem práticas menos impactantes. Ou seja, paga um valor por hectare para que eles cuidem do solo. Boa prática para ser imitada no Brasil.


Fundo ligado a carbono
• Se banqueiro entrou, é porque rende… Acaba de ser apresentado o Fundo Itaú Índice de Carbono.
• O rendimento será baseado na variação do BGCI (Barclays Capital Global Carbon Index), indicador mundial que monitora o desempenho dos créditos de carbono-certificados.
• Os créditos atestam a redução da emissão de gases do efeito estufa, responsável pelo aquecimento global.
• O Itaú Unibanco prevê pagar rentabilidade máxima de 37% para o novo fundo em dois a


No CEO
• Eles são apaixonados por passarinhos. O Centro de Estudos Ornitológicos (CEO) reúne 50 aficionados por pássaros e comemora 25 anos. O CEO já catalogou 802 espécies no Estado, sendo 462 na capital.
• Quer fazer excursões, pesquisas e ouvir palestras sobre passarinhos?
• Vá ao CEO… www.ceo.org.br


Marina Silva critica Lula
• A então senadora Marina Silva foi anunciada ministra, em 2002, antes da posse de Lula, quando o presidente eleito estava nos EUA. Lula anunciou na mesma hora Marina, para o MMA, e Palocci, para a Fazenda.
• Do Brasil, na época, Marina era só elogios a Lula.  Sete anos depois, fora do MMA e do PT, Marina Silva disse que a participação do presidente Lula na Assembleia-Geral da ONU foi frustrante.
• Candidatíssima pelo PV, a senadora acreana anunciou o lançamento de um movimento intitulado Brasil no Clima, em defesa de políticas para desaquecimento do planeta. A mobilização já começou com uma caminhada na orla do Rio.