Coluna do Meio regina@folhadomeio.com.br

23 de março de 2010

Marina Salva Marina Silva: candidata a presidência da Rúpública   • Tem muitos economistas, ambientalistas, empresários e oportunistas gravitando em torno de Marina Silva, pré-candidata à Presidência pelo PV.• Até o discurso de Marina ficou rebuscado: • “Descartamos a simbiose entre crescimento econômico e desenvolvimento que está na matriz do pensamento social-democrata”. • “Crescer por… Ver artigo


Marina Salva


Marina Silva: candidata a presidência da Rúpública


 


• Tem muitos economistas, ambientalistas, empresários e oportunistas gravitando em torno de Marina Silva, pré-candidata à Presidência pelo PV.
• Até o discurso de Marina ficou rebuscado:
• “Descartamos a simbiose entre crescimento econômico e desenvolvimento que está na matriz do pensamento social-democrata”.
• “Crescer por crescer, sem descarbonizar, é a receita do desastre”.
• “A necessidade de descarbonização das economias do planeta é inadiável”.
• Descarbonização é prioridade do PV.


Todo cuidado é pouco
• Há um conflito permanente entre os homens, em relação ao ambiente.
• Na floresta, o conflito há entre quem preserva e quem desmata.
• Entre os extrativistas e a ganância pela exploração comercial.
• Nos rios, entre os pescadores artesanais e os pescadores comerciais.
• Todos estes conflitos têm um terrível viés social: além de matar a biodiversidade existe a ameaça à subsistência de ribeirinhos.
• Neste sentido, em 2001, notando uma diminuição na quantidade de peixes na região do Jauaperi e do baixo rio Branco, divisa do Amazonas com Roraima, um grupo de moradores pediu ao MMA e conseguiu a criação de uma reserva extrativista no baixo rio Branco-Jauaperi.
• A moratória da pesca comercial, por três anos, deu tempo para os peixes crescerem e se reproduzirem.
• Este ano termina o “cessar-pesca”.


Educação: coisa de gringo?
• Infelizmente, escola na floresta continua sendo coisa de gringo.
• Muitas famílias estão deixando a comunidade Samaúma, na região do rio Jauaperi.
• Motivo: a falta de escolas e professores para os ribeirinhos.
• Dezenas de crianças do Jauaperi só sabem ler e escrever graças ao esforço de estrangeiros.
• Precisamente, graças a dois irmãos escoceses e suas esposas italianas.
• Isto é Brasil!


Conversão de Blairo
• Dizem por aí que a política levou o governador-empresário Blairo Maggi a se distanciar do desmatamento e da produção de grãos para a produção sustentada.
• Há muito, o maior produtor de soja do Brasil, o governador do Estado de Mato Grosso, em suas entrevistas e palestras passou a defender o conceito de produção sustentável.
• E garante que adota este conceito em suas fazendas.
• Criou até o “MT Legal”, projeto de recuperação das áreas de reserva e proteção permanente.
• Será verdade? Dá para confiar?
Burocracia e a menina
dos olhos de Lula
• O maior projeto do PAC para produção de alimentos emPACou.
• Na inauguração do projeto de fruticultura irrigada, em Tocantins, o presidente Lula disse ser a “menina dos meus olhos”.
• Pois a menina dos olhos de Lula, nos municípios de Dianópolis e de Porto Alegre (TO) só tem 47 lotes produzindo, tem quatro empregos por lote e não conseguiu repassar a escritura aos donos.
• Sem o documento, ninguém consegue financiamento.
• Fazer discurso é muito fácil…


Coitada das toninhas
• Uma estatística terrível: as redes de pescam matam mais de mil toninhas por ano no litoral do Rio Grande do Sul e Uruguai.
• Toninha é um tipo de golfinho – que ficam presas acidentalmente em redes de pesca no litoral brasileiro.
• As contas são de Eduardo Secchi, do Instituto de Oceanografia da UFRS.
• Por isto e devido à poluição do mar, as toninhas estão classificadas como “vulneráveis” na lista vermelha de animais ameaçados de extinção.


————————————


Dez prá cá e dois prá lá
• Os números do PAC e o atropelamento ambiental.
• O MMA não conseguiu conter o rolo compressor das obras do governo e, ao contrário do que prometera, criou áreas de conservação em descompasso com as licenças ambientais liberadas para o PAC.
• O balanço é o seguinte: desde maio de 2008 (posse) o ministro Carlos Minc criou sete novas unidades de conservação. O Ibama deu 152 licenças (prévias, de instalação e de operação), além de outras 108 autorizações de desmate para o avanço dos empreendimentos. Um discurso às avessas: Minc fez a seguinte promessa em sua posse:
• – “A nossa música é dois pra lá, dois pra cá. Duas licenças, dois parques ambientais”.