Coluna do meio

25 de julho de 2014

silvestre@folhadomeio.com.br

Futebol, Copa e Educação
“Queria dar uma alegria para esse povo que sofre tanto por tanta coisa. Queria pedir desculpa, só queria fazer meu povo sorrir pelo menos no futebol”.
David Luiz, líder da Seleção Brasileira depois de perder a Copa do Mundo.
 
“Quando vi o David Luiz pedindo desculpas, pensei: quem devia estar ali pedindo desculpas éramos nós os Senadores, os Deputados, os Ministros, os Governadores, a Presidente da República, porque somos nós que estamos em campo para fazer um Brasil melhor. Nós somos a seleção brasileira da política para a definição dos rumos do País”.
Resposta do Senador Cristovam Buarque, lembrando também que nos traumatizamos com a derrota no futebol, mas não nos traumatizamos quando, em 3 de dezembro de 2013, foi divulgada a classificação do Brasil na educação, entre 65 países, e ficamos em 58º.

 

POESIA DA COPA
O elo entre a Copa de 1978 e a Copa de 2014
 
A poesia de Carlos Drummond Andrade, escrita depois da Copa do Mundo de 1978, na Argentina, vale também para a Copa do Mundo de 2014, no Brasil.
Mesmo saindo como “campeão moral”, por não ter perdido nenhum jogo, a Copa de 1978, foi trágica para o Brasil.
Depois de ver a Argentina vencer a Holanda na final e ser a Campeã do Mundo,  a Seleção do Brasil  – já de volta – recebeu do poeta maior, Carlos Drummond de Andrade, este presente. A poesia feita para aquela Copa de 78 vale também para esta Copa de 2014. Sempre atual.
 
FOI-SE A COPA?
Carlos Drummond de Andrade
 
Foi-se a copa? Não faz mal.
Adeus chutes e sistemas.
A gente pode, afinal,
cuidar de nossos problemas.
 
Faltou inflação de pontos?
Perdura a inflação de fato.
Deixaremos de ser tontos
se chutarmos no alvo exato.
 
O povo, noutro torneio,
havendo tenacidade,
ganhará, rijo, e de cheio,
a Copa da Liberdade.


 

Arborização e urbanização

• Brasília é assim.
• O concreto e a paisagem natural têm um diálogo permanente.
• Conhecida pelos monumentos e pela arte de dois gênios, Lucio Costa e Oscar Niemeyer, Brasília tem pelo menos outras três características que deixaram os turistas visitantes durante a Copa do Mundo, maravilhados:
1 – A Cidade-Parque, onde o verde faz bem aos olhos e ao corpo. Entre as 5 milhões de árvores plantadas em todo o Distrito Federal, 1 milhão é frutífera. Na 708 Norte, há um verdadeiro pomar. É possível colher direto do pé framboesas, pitangas, laranjas, limões, maracujás e mangas. As pessoas e os pássaros se esbaldam.
2 – O céu de Brasília, cantado em verso e prosa, é especial e arrebatador ao amanhecer e ao pôr do sol.
3 – O clima de planalto é uma bênção. As noites brasilienses são sempre frescas.
 

 

Câncer: genética e meio ambiente
• O alerta objetivo e pontual sobre causas do câncer.
• Com a experiência de ser membro da Sociedade Brasileira de Nutrologia e da Academia Americana de Medicina Ambiental, o dr. Mauro Tarandash diz simplesmente que as doenças, sobretudo o câncer, tem sempre duas causas fundamentais: 
• Uma, a origem genética. Outra a origem circunstancial pelo ambiente onde se vive.
• Na história dos seres vivos, os genes vão se adaptando muito lentamente ao ambiente. Mas o meio ambiente muda tão rápido e a degradação é tão forte, que a alteração do genes não acompanha.
• No caso do Câncer, uma pesquisa da OMS, mostra que 30% têm origem genética. E 70% têm origem no meio ambiente e na forma que se vive.
• Destes 70%, o meio ambiente degradado é responsável por 30% das ocorrências. E 40% por uma alimentação inadequada: corantes, conservantes, agrotóxicos, água poluída.
 
 

Emprapa Cerrados
• O Ministério do Meio Ambiente prometeu e não cumpriu.
• Em novembro do ano passado, o TCU divulgou uma auditoria feita pelo órgão nas Unidades de Conservação do bioma Amazônia.
• Coordenada pelo TCU, a auditoria envolveu técnicos de vários ministérios, e pelos tribunais de contas de nove estados da Amazônia Legal.
• O MMA informou “que até o meio do ano”, antes de terminar a Copa, resolveria o problema.
• Perdemos a Copa e perdeu-se o prazo do MMA.