Editorial

Caro Leitor

23 de outubro de 2007

O Nobel e o meio ambienteO esforço do ex-vice-presidente dos E.U.A, Al Gore, e do Painel  da ONU ao realizarem campanhas e estudos para reverter o aquecimento global foi reconhecido por notáveis em cerimônia em Oslo.  Quem não recorda dele como vice-presidente de Bill Clinton (1993-2001), mas acompanha as questões ambientais, vai lembrar que Al… Ver artigo

O Nobel e o meio ambiente
O esforço do ex-vice-presidente dos E.U.A, Al Gore, e do Painel  da ONU ao realizarem campanhas e estudos para reverter o aquecimento global foi reconhecido por notáveis em cerimônia em Oslo.  
Quem não recorda dele como vice-presidente de Bill Clinton (1993-2001), mas acompanha as questões ambientais, vai lembrar que Al Gore ganhou este ano o Oscar de melhor documentário com o filme “Uma verdade inconveniente”. No dia 12 de outubro Gore voltou ao noticiário internacional ao ter seu nome divulgado como vencedor do Nobel da Paz por ser “o indivíduo que mais fez pela compreensão global sobre as mudanças climáticas”, disse o Comitê Norueguês do Nobel.
 Em relação ao Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) da ONU, o Comitê concedeu o Prêmio reconhecendo que ele “criou consenso crescente sobre o elo entre a atividade humana e o aquecimento global”. A dupla premiação a uma mesma proposta deixou claro que uma atitude política pode combinar perfeitamente com uma pesquisa científica.
 O Brasil tem um representante no IPCC, é o climatologista José Marengo, do Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (CPTEC/Inpe). Conforme Marengo, a premiação dá mais credibilidade ao Painel da ONU e serve como mensagem aos céticos, que não acreditavam no impacto das mudanças climáticas.
 O climatologista brasileiro acredita que a dupla premiação deixa claro que a preocupação com as mudanças climáticas não se restringe aos meios científicos, mas que provoca interesse geral, e revelou que alguns assessores de Al Gore são integrantes do IPCC. O filme de Gore torna acessíveis as informações do IPCC.
 O IPCC foi criado em 1988 pela Organização Meteorológica Mundial e pelo Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. Ele reúne cerca de três mil cientistas de diversos países. O trabalho do Painel consiste em avaliar informações científicas sobre os efeitos das mudanças climáticas, destacar seus impactos e traçar estratégias globais para responder ao fenômeno.
 Em 2004, a Academia do Nobel já havia reconhecido o poder de transformação de outro grande destaque entre os ambientalistas internacionais: a queniana Wangari Maathai. Ela recebeu o prêmio por sua contribuição em prol do desenvolvimento sustentável, da democracia e da paz. Com sua visão holística, Maathai pensa em termos globais e age em termos locais, combinando ciência, engajamento social e política ativa. Foi ela quem criou o Movimento Cinturão Verde, que mobiliza mulheres pobres no plantio de árvores.
 O Nobel da Paz é um reconhecimento aos esforços de poucas pessoas e grupos para dar sustentabilidade ao planeta Terra.            Cabe a nós lutar pela conservação de nossos recursos naturais, evitando e denunciando as agressões diárias sofridas pelo planeta.  E ninguém deve deixar de fazer por só poder fazer muito pouco.


PREZADOS ASSINANTES: ao agradecer o apoio e a força que recebemos de todos os nossos
assinantes, a equipe que faz a Folha do Meio Ambiente  gostaria de pedir sua compreensão e atenção para dois pontos:



    1) Ao pagar sua assinatura, por favor, não deixe de enviar por fax (61-3226-4438) ou por email
(
assinatura@folhadomeio.com.br) a devida identificação com endereço completo do responsável pelo depósito;



    2) Temos alguns depósitos bancários feitos sem a devida identificação, o que nos impossibilita de
enviar o jornal. Pedimos, urgentemente, que esses assinantes nos enviem os dados de identificação. Obrigado!