Editorial

Caro Leitor

28 de fevereiro de 2008

Novo ano, novas esperanças

 Enfim, o ano de 2008 de fato se inicia. E as notícias não são boas. Temos a aumento do desmatamento da Amazônia, apesar dos esforços discursivos da ministra do Meio Ambiente Marina Silva e de suas explicações para nos fazer acreditar que o governo federal pensa de um modo só. Impossível, infelizmente.
No Piauí o desmatamento também avança, como se pode conferir, mais uma vez, nesta edição. Desmatamento e produção de carvão, no Piauí, parece ser obsessão política e econômica. Pior: única alternativa de desenvolvimento. Páginas 6 e 7.
O mesmo governo que diz frear o desmatamento é o que autoriza a expansão da fronteira agrícola para o gado, a pastagem e a soja. É o mesmo que também tenta convencer a União Européia de que o Brasil tem mais de duas mil mais fazendas em condições de exportar carne bovina dentro dos padrões internacionais. Não convenceu. O ano também começou com um surto de febre amarela nas áreas endêmicas. Natural? Até certo modo sim. As epizootias são fenômenos cíclicos, naturais. Mas, por isto mesmo, é possível evitá-las. O vírus da doença circula nas áreas de matas de sete em sete anos, mais ou menos. Portanto, bastaria alertar a população com certa antecedência para que se vacinasse. Nesta edição, uma ampla e didática matéria sobre a febre amarela. Vale a pena tirar todas as dúvidas e se precaver. Nas escolas, os professores podem muito bem dar uma aula sobre o que é e quais precauções a população deve tomar.   Páginas 16 e 17
Para compensar a pauta, temos notícias muito boas vindas de Minas Gerais. Trata-se do Programa Peixe Vivo, a segunda parte de uma reportagem publicada na edição de dezembro. Coordenado pela Cemig, o programa promoveu a soltura de 445 mil alevinos de espécies nativas das barragens mineiras e pode ser exemplo de uma gestão de sustentabilidade para as barragens programadas para o rio Madeira. Esta é uma atitude que merece ser conhecida pelos leitores da Folha do Meio.  Páginas 20 e 21.
Assim como o delicado trabalho de preservação do acervo das belezas da Amazônia, em DVD, pela dupla que edita a coleção Expedições há 30 anos, Paula Saldanha e Roberto Werneck. Páginas 22 e 23.
Tudo isto está nesta edição do jornal há 18 anos luta pela conscientização socioambiental das crianças brasileiras. Caso o amigo leitor tenha algum comentário a fazer, alguma sugestão ou mesmo alguma crítica, por favor, não deixe de fazê-lo. Isto é muito importante para nós, afinal de contas estamos juntos nesta caminhada.
Obrigado pelo apoio e pela leitura.



 


PREZADOS ASSINANTES: ao agradecer o apoio e a força que recebemos de todos os nossos
assinantes, a equipe que faz a Folha do Meio Ambiente  gostaria de pedir sua compreensão e atenção para ao pagar sua assinatura, por favor, não deixe de enviar por fax (61-3226-4438) ou por email
(assinatura@folhadomeio.com.br) a devida identificação com endereço completo do responsável pelo depósito. Temos alguns depósitos bancários feitos sem a devida identificação, o que nos impossibilita de enviar o jornal. Pedimos, urgentemente, que esses assinantes nos enviem os dados de identificação. Obrigado!


“Não deixe de fazer por só poder fazer muito pouco”