Educação e voluntariado

Ser escoteiro: opção de vida

19 de abril de 2005

O maior movimento de juventude organizada do mundo


Escoteiros de Brasília: Danilo Lima (com o globo na mão), Gabriel Cobelo (teclado na mão). Em primeiro plano (agachados): Liane Santullo, Aurélio Araújo e Aretha Amorim.
Em segundo plano: Angela Melo, Lali Mariah e Rafael Luz.


O que é o Escotismo?
O Escotismo é o maior movimento de juventude organizada do mundo, sendo praticado em 217 países e territórios, possuindo um efetivo mundial superior a 28 milhões de participantes e uma existência solidificada ao longo de quase um século de atuação.
Trata-se de um movimento educacional de jovens, com a colaboração de adultos, voluntário, sem vínculos político-partidários, que valoriza a participação de pessoas de todas as origens sociais, raças e crenças, de acordo com seu Projeto Educativo.
Para facilitar a compreensão dessa definição, seguem alguns comentários:


— Movimento educacional de jovens: o Escotismo é um agente educacional não-formal, ou seja, sua contribuição complementa a educação que provém dos agentes formais, como a escola, e dos agentes informais, como a família e outras influências, não pretendendo substituí-los; no Escotismo, os jovens desempenham papel de protagonistas, de agentes de seu próprio desenvolvimento; são pensadores, realizando um esforço inteligente de conhecer o mundo; “movimento” significa uma série de ações tendentes a um fim em especial, o que significa dizer que o Escotismo é dinâmico e está em contínuo aperfeiçoamento;
— Com a colaboração de adultos: os adultos desempenham o papel de facilitadores, de mediadores entre o ambiente e o jovem; eles interagem com os jovens, em sistema de cooperação, buscando construir o conhecimento; cabe esclarecer que todos os adultos que aderem ao Movimento participam de um sistema de formação continuada, que os habilita a desenvolver suas tarefas no Escotismo;
— Voluntário: o Escotismo é essencialmente voluntário, ou seja, a adesão é livre; obrigatoriamente as três vertentes de participação no Escotismo têm que ser voluntárias: os jovens (que participam diretamente), as famílias (que necessitam apoiar a participação dos filhos) e os adultos (que trabalham diretamente com os jovens ou em funções administrativas); outra vertente da palavra voluntário, é o fato de que não há retribuição pecuniária pela participação no Escotismo, exceto para determinadas funções de gerenciamento, típicas de toda grande organização;
— Sem vínculos político-partidários: o Escotismo não se envolve na luta pelo poder; não se identifica, institucionalmente, com qualquer atividade política-partidária, o que lhe garante a necessária independência; seus membros, entretanto, têm suas opções políticas pessoais, que certamente são influenciadas pelo caráter essencialmente democrático que permeia a atividade escoteira; ressalte-se que a formação de cidadãos responsáveis, participantes e úteis, exige que o Movimento esteja atento à realidade política;
— Valoriza a participação de pessoas de todas as origens sociais, raças e crenças: Mais do que simplesmente aceitar todas as pessoas, o Escotismo valoriza sua participação, por entender que a convivência com as mais diversas realidades contribui para o desenvolvimento do respeito às diferenças, como valor essencial a ser apreendido; ademais, faz parte da missão institucional do Escotismo, oferecer ao maior número de jovens a oportunidade de participar do Movimento;
— De acordo com seu Projeto Educativo: o Projeto Educativo estabelece a base teórica, sobre a qual se assenta a proposta pedagógica do Escotismo.
Na prática, o Movimento atua em seis áreas de desenvolvimento do ser humano (físico, intelectual, social, afetivo, espiritual e do caráter), propondo, dentro do Programa de Jovens, um grupo de objetivos educacionais específico, diferenciado para cada faixa etária e para cada uma das áreas de desenvolvimento. Cada jovem busca o progresso em termos desses objetivos educacionais à sua maneira e dentro do seu próprio ritmo, participando de atividades progressivas atraentes e variadas, preferentemente ao ar livre, em estreito contato com a natureza, envolvendo a mística e o ambiente fraterno.
Esse processo se dá mediante a vivência em unidades com faixa etária definida e número limitado de participantes, sob a orientação de adultos preparados (educadores), o que permite o aprendizado da vida em equipe, assumindo responsabilidades progressivas, com orientação individual baseada na plena confiança nas potencialidades dos jovens. Permite ainda, o desenvolvimento de habilidades para liderar e para cooperar.
Todos os participantes fazem uma adesão voluntária a um código de valores, traduzido na Lei e na Promessa Escoteira, passando a cultivá-los dentro e fora do Movimento, empreendendo um real esforço para vivenciá-los em seu dia-a-dia. Trata-se de um arcabouço de valores universais (Amor, Honestidade, Respeito, Responsabilidade, Simplicidade, Solidariedade, etc.), que se ajustam aos progressivos graus de maturidade dos jovens, sendo desdobrados e traduzidos por termos que facilitam sua compreensão para todas as faixas etárias.
A sociedade tem visto o escotismo como uma oportunidade saudável, a ser oferecida aos jovens, em apoio e complementação à formação oferecida pela família e pela escola, principalmente no processo de aquisição e vivência de valores.
Mais informações:
www.escoteiros.org.br e    www.ueb-df.org.br
Contato:  Carmen Barreira – cbarreira@yawl.com.br ou
Arthur pelos telefones:
61 224 3415 Fax: 61 224 3453