Desmatamento na Amazônia Legal

FLORESTA NO CHÃO

25 de maio de 2011

Na Amazônia, a área desmatada foi de 27%. E não adiantou o Ibama aumentar o efetivo de fiscais na Amazônia Legal

Segundo dados do INPE, o Mato Grosso teve 480,3 km² dos 593,0 km² de desmatamento detectados no período na região, o que equivale a 80%. Somente em abril, foram detectados 405,5 km² de polígonos de devastação em território mato-grossense. Em toda a Amazônia, no período, o aumento da área desmatada foi de 27%. O diretor de Proteção Ambiental do Ibama garante que a fiscalização vai agir e vai pegar um por um dos desmatadores. Além de apreender a produção na fase da colheita, a fiscalização vai atrás até das colhetadeiras. O que vai acontecer, acrescenta Luciano Evaristo, é que “o cara vai colher para o Fome Zero. Estará fazendo um grande benefício social”.

O INPE, no mesmo bimestre de 2010, registrou 103,6 km² de derrubadas na Amazônia Legal. Portanto, o incremento foi de 572% em 2011, embora esse tipo de comparação não possa ser feita de forma exata, já que o Inpe faz a ressalva de que seu sistema não é voltado à aferição precisa de áreas, mas mais focado na emissão de alertas para que as autoridades ambientais possam verificar focos de derrubada de mata em terra.



Boas condições de fotos- A alta extrema em abril em Mato Grosso se deve, em parte, à boa visibilidade alcançada pelas imagens de satélite naquele mês, quando a cobertura de nuvens ficou abaixo dos 10%. As condições densamente nubladas da Amazônia impedem que os técnicos do Inpe chequem o desmatamento desde o espaço durante boa parte do ano.


Governo: luz vermelha acende gabinete de crise


O governo federal abriu operação de guerra para conter desmatamento. O aumento de tendência de desmatamento na Amazônia acendeu a luz amarela. Diante dos números divulgados, a ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, reafirmou: “Quem tiver apostando no desmatamento para abrir novos pastos, vai ter o boi apreendido e doado para o Programa Fome Zero”.


Segundo a ministra, o recado também vale para quem está desmatando para aumentar a produção agrícola. Izabella Teixeira considerou a situação inaceitável e divulgou uma série de medidas para coibir o desmatamento ilegal.


De acordo com ela, o gabinete anticrise – do qual fazem parte a Polícia Federal, a Força Nacional de Segurança e a Polícia Rodoviária Federal – foi convocado e vem se reunindo semanalmente para avaliar a situação.


“Colocamos mais 500 homens no Mato Grosso e vamos sufocar o crime ambiental. E, até que o desmatamento seja reduzido, ninguém sai do campo”, disse.


Embora seja considerado atípico para este período do ano, pois ainda não é o período da seca, o comportamento do estado do Mato Grosso surpreendeu o Governo.


“Ainda não sabemos o que está acontecendo. Estamos avaliando a situação. Nos próximos 15 dias estaremos divulgando uma avaliação final, após o contato com as equipes do Ibama e dos estados”, garantiu a ministra.