Grito das Águas

Em 4 estados do Brasil, protestos, shows e debates simultâneos

20 de fevereiro de 2004

Livro de Leonardo Morelli mobiliza contra a degradação dos recursos hídricos


Ativistas do Grito das Águas organizaram um comboio, a partir de Imaruí (100 km ao sul de Florianópolis), destinado a realizar atos públicos, seminários, manifestações e shows em defesa da natureza nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste do país.


Em Campos do Jordão (SP), lançaram, no dia 2 de junho, a Campanha SOS Nascentes do Prata; em Brasília(DF), na tarde do último dia 4, realizaram show de música barroca e debateram na Câmara dos Deputados – o tema “Água, Energia e Meio Ambiente”. Em Alfenas (MG) a campanha “SOS, Furnas salve o lago” e, já no retorno, os ambientalistas se dedicaram ao “SOS Ecossistema Lagunar”.


Estruturado a partir de 1998, o Grito das Águas é hoje uma das maiores redes auto-organizadas da sociedade civil com atuação no Brasil e em alguns países da América Latina. Nela, ONGs e INGs (Organizações e Indivíduos Não Governamentais) se articulam em defesa das águas e das espécies que dela dependem, principalmente nas regiões do Aquífero Guarani (maior reserva de água subterrânea do planeta, com risco de contaminação).


Essa mobilização procura chamar a atenção da opinião pública para a degradação das águas internacionais da Bacia do Prata e do Aquífero, que interligam os quatro estados onde o comboio passa. 


As águas que nascem na Serra da Mantiqueira e no DF ajudam a abastecer o Lago de Furnas no sul de Minas e Serra da Mesa, em Goiás. 


O pano de fundo é o lançamento do livro “Grito das Águas” de Leonardo Morelli, que conta a história do Movimento ao longo dos últimos 3 anos.


Nas atividades culturais, o Movimento teve participações importantes de artistas engajados em causas sociais e ecológicas, entre eles a banda catarinense Substância Ativa, o Grupo Affectus de Brasília e Rogério Flauzino (vocalista do J.Quest) e seus irmãos Wilson Sideral e Flavio Landau que participaram de shows em Alfenas.


Livro é um link – Orientar e qualificar ativistas. Essa a missão e também a razão para que o livro “O Grito das Águas” não esteja em livrarias. “As pessoas, na verdade, não adquirem uma mercadoria, mas fazem um link conosco. Assim, os interessados poderão recebê-lo em casa, ao se associarem ao Movimento e, a partir daí, passam a integrar nossa rede.”, explica Morelli.


Para tanto basta encaminhar os dados para a Editora Letradágua: Rua Orleans, 625, Bairro América, Joinville – SC. Fone: (47) 3825-3955.


Maiores informações: gritodasaguas@globo.com 
Caixa Postal 29 – CEP 88770-000, Imaruí SC