Com a palavra, o Leitor

Descaso com a Guanabara

18 de setembro de 2008

Agressão ambiental deixa comunidade pesqueira da Baía em alerta

A Baia de Guanabara virou lixão a céu aberto do Rio, de Niterói e da Baixada Fluminense. Até os caminhões de concreto lavam seus tanques e jogam os rejeitos de cimento no mar


 


 


 


Apesar dos fortes impactos ambientais e socioeconômicos destas obras, em nenhum momento fomos contrários ao processo de licenciamentos por entender a importância para nossa região como gerador de emprego e renda. Mas, na prática, não é o que vem acontecendo. Vemos uma Baía de Guanabara, cada vez mais degradada, o pescado escasso, o turismo comprometido devido a terrível imagem de grandes terminais ao horizonte. Cabe também solicitar à Petrobras que exerça a sua tal responsabilidade socioambiental que tanto proclama.
A degradação do meio ambiente não é a única preocupação dos que sobrevivem da pesca. A poluição visual é outro elemento de apreensão, uma vez que a idéia de uma Baía de Guanabara limpa e bela não combina com a imagem do sol nascendo no mar por trás do Pier para descarga de gás, GNL, GLP, propeno, etileno e etc… E tudo acontece: até caminhões de concreto lavam os tanques e jogam os rejeitos de cimento no mar.  E tanques são abandonados na baía da Guanabara. (Veja a foto). Vale lembrar que “O mais importante e fundamental princípio do direito ambiental é o princípio do direito humano fundamental: os seres humanos constituem o centro das preocupações com o desenvolvimento sustentável e têm direito a uma vida saudável e produtiva, em harmonia com o meio ambiente.”
AHOMAR – Associação  Homens do Mar
Av. Imperador,  41 – Magé
grupohomensdomar@gmail.com