MUTIRÃO DE LIMPEZA DO FUNDO DO MAR

19 de dezembro de 2014

Iniciativa de pegar o lixo no fundo do mar revela a necessidade de um trabalho contínuo de limpeza e conscientização

Garrafas, latinhas e plástico são os campeões do lixo no fundo do mar

O lixo está em todo lugar em uma ameaça real à vida marinha

 

Hoje o Projeto Fundo Limpo é formado de voluntários e através de grandes parcerias público/privada vem ganhando destaque nacional e internacional. A cada ano as ações do projeto tem retirado grandes quantidades de resíduos sólidos que são descartados por frequentadores das praias e por embarcações de todos os tamanhos. Esta iniciativa vem revelando a necessidade de um trabalho contínuo de limpeza e conscientização ambiental. Bom seria se esse projeto migrasse para outras cidades litorâneas e pudesse mobilizar as pessoas para não só fazer a limpeza do fundo do mar, mas também educar a população a ser mais civilizada para que as praias de mar e de rios fossem mais limpos e saudáveis.
 
Lixo ameaça a vida marinha
O lixo marinho está presente em praticamente todas as praias e oceanos do mundo. Ele não fica restrito apenas à faixa de areia. Itens de lixo são encontrados flutuando na coluna d’água e depositados no fundo do mar. O lixo de fundo – também chamado de lixo bentônico – é conhecido por ameaçar de diversas formas os animais e ecossistemas associados ao fundo marinho, sufocando corais, entupindo brânquias de pequenos animais, emaranhando e afogando tartarugas, golfinhos e tubarões, e sendo ingeridos por predadores que se alimentam de organismos que vivem no fundo, podendo confundir lixo com alimento. Além disso, alguns animais podem se associar ao lixo utilizando-o como esconderijo e proteção.
O objetivo deste projeto específico de Salvador é remover a maior quantidade de lixo do fundo do mar das praias baianas, incluindo uma sistematização e aplicação de metodologia para que os resultados obtidos através dessas atividades possam ser comparados a outros em todo o mundo. Isso é importante para ajudar no conhecimento sobre a situação do lixo marinho no Brasil e, no futuro, servir de subsídio para os tomadores de decisão. 
 
 
O lixo coletado no fundo do mar é armazenado em sacos-rede e, quando cheios, são trazidos pra costa ou depositados na embarcação de apoio. 
 
 
informações
 
Escola e Operadora de Mergulho Galeão Sacramento Av. Sete de Setembro, nº 3835, loja 08, Centro Comercial Porto da Barra, Barra, Salvador/BA. Blog: www.projetofundolimpo.blogspot.com Email: projetofundolimpo@gmail.com
 
 
 
CLEAN-UP
 
O Clean up day “ ou o Dia Mundial de Limpeza de Praias (Internacional Coastal CleanUp Day) é um evento ambiental de grande impacto visando o esforço coletivo para a limpeza do meio ambiente marinho. As ações de Clean-up são realizadas por várias organizações não governamentais e acontece no terceiro sábado do mês de setembro. No caso de Salvador, a Escola de Mergulho Galeão Sacramento é uma delas. 
Na capital baiana, o Clean up também é organizado pela Biota Aquática que também realiza pesquisas e ações relacionadas à conservação dos ecossistemas aquáticos, dentre elas as ações do “Programa Lixus humanus: vamos extinguir esta espécie!!!”. O programa é composto por pesquisa sobre o problema do lixo marinho nas praias como diagnósticos ambientais e relação fauna-lixo. A Biota Aquática tem  membros efetivos e os voluntários. Os encontros se dão de acordo com a demanda e a necessidade, sendo que para os membros efetivos estes são mais frequentes. O motivo é simples: o grupo precisa discutir assuntos internos referentes à manutenção da instituição. Já para os voluntários, os encontros ocorrem quando há uma demanda de capacitação específica ou na entrada de novos integrantes.
 
Projeto Fundo Limpo
O grupo, que faz coletas no fundo do mar da Barra desde 1994, conta com apoio de bombeiros e salva-vidas na tarefa de retirar a maior quantidade possível de resíduos da água.
 As atividades de remoção de resíduos do fundo do mar de algumas praias de Salvador vêm sendo aliadas a pesquisas com intuito de gerar conhecimento científico. Os dados obtidos são disponibilizados à população e frequentadores das praias. O objetivo é fazer um alerta para o problema e aumentar a consciência ecológica. Para tanto, passaram a fazer parte da equipe de mergulhadores do Projeto Fundo Limpo, biólogos, oceanógrafos e cientistas diversos. 
 
LIXO BENTÔNICO
 Diversos são os materiais que compõem o lixo bentônico (plástico, madeira, vidro, tecido, metal, borracha). Muitos deles, como latas de refrigerantes e cervejas, são encontradas em diversos níveis de deterioração e, muitas das vezes, é possível ainda identificar a marca estampada no produto.
O Projeto Fundo Limpo avalia a ocorrência de lixo bentônico em toda a extensão do mar da praia da Barra, Porto da Barra, Hospital Espanhol, Farol da Barra e Cristo. 
Bruno Rocha Souza, diretor fundador e responsável técnico pelo Projeto, alerta para os riscos provocados por materiais perfuro-cortantes encontrados na água: “As pessoas precisam perceber que o lixo que vai para o mar acaba prejudicando não somente os animais marinhos – que o confundem com alimento e acabam morrendo – como também elas mesmas, pois espetos de madeira são pontiagudos e muito perigosos; as latas, por sua vez, se rasgam e podem provocar acidentes graves. Não é só na água; o lixo que se joga à toa, em qualquer lugar da cidade, pode acabar indo parar no mar e prejudica do mesmo jeito. É necessário haver uma conscientização de fato”
Para fazer a empreitada de limpeza do fundo mar, há uma logística de marcação de área. O lixo coletado é armazenado em sacos-rede e, quando cheios, são trazidos pra costa ou depositados na embarcação de apoio. Todo item coletado é posteriormente lavado, secado, pesado, separado e contado de acordo com o tipo de material que o compõem como plástico, madeira, metal, vidro, etc.