Marina, a força amazônica

Marina Silva é a ministra do Meio Ambiente de Lula

2 de fevereiro de 2004

Avisa lá, gente, que a Marina chegou!

Parece até que o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva fez de propósito. Deu um pouco de simbologia nas duas primeiras indicações ministeriais. Os nomes de seus dois primeiros ministros anunciados diretamente de Washington, dia 10 de dezembro, foram de seu braço direito institucional, Antônio Palocci, para o Ministério da Fazenda, e de uma mulher, símbolo de resistência e de Amazônia, a senadora Marina Silva, para o Ministério do Meio Ambiente. Antônio Palocci, coordenador da transição, é um administrador respeitado e se mostra como o xerife da boa gestão governamental. Marina Silva, 44 anos, nascida e criada nos seringais acreanos, é símbolo de luta pela sustentabilidade. Várias vezes já alertou aqui na Folha do Meio Ambiente, sobre a ausência de políticas sociais para a Amazônia, que pode jogar a região brasileira nos braços do narcotráfico.


Pacto pela sustentabilidade
A nova ministra do Meio Ambiente, senadora pelo Acre Marina Silva, vai coordenar um verdadeiro “pacto pelo desenvolvimento sustentável” durante os quatro anos do governo Luís Inácio Lula da Silva. Ex-seringueira, aliada de primeira hora de Lula, Marina se fez respeitar por suas idéias e ideais em defesa da Amazônia e dos recursos naturais brasileiros. Foi ela a responsável pela elaboração do Programa Meio Ambiente, Qualidade de Vida e Amazônia, incluído no programa apresentado à nação pelo Partido dos Trabalhadores.
A nova ministra disse à Folha do Meio Ambiente que pretende coordenar as ações do ministério com a participação de toda a sociedade. “Os brasileiros têm um grande desejo de preservar seus recursos naturais. Isto é visível nas inúmeras ações voluntárias dos cidadãos”, lembrou a ministra.
O projeto que ela ajudou a elaborar inclui um grande chamamento, tanto entre aqueles que hoje já praticam ações no sentido da conscientização da preservação como entre os diversos órgãos dos governos federal, estaduais e municipais. “Acredito que existam inúmeros projetos, inúmeras ações feitas de forma isolada que podem ser integradas pelo grande pacto que pretendemos fazer dentro do governo Lula”, ressalta a futura ministra.


Segundo Marina, no programa do PT está colocado como foco de ação, contribuir para viabilizar os meios e dar os instrumentos necessários para que o desenvolvimento sustentável se dê de forma correta. “Isso inclui a potencialização de projetos ligados a parte de regulação, fiscalização e controle, bem como os instrumentos econômicos como facilitação de crédito por meio das agências de desenvolvimento da Amazônia, dos institutos de pesquisas, do próprio BNDES, enfim, todos voltados para dar as respostas sobre a forma como as pessoas poderão fazer seus investimentos mediante critérios de sustentabilidade”, explica.


“Acho que esse é o grande desafio. Em uma cultura onde as pessoas acham que o progresso é simplesmente remover a natureza para fazer qualquer tipo de investimento sem nenhuma preocupação que esta atividade valorize ou não os recursos naturais, ou que preserve os recursos naturais, é necessário que enfatizemos que esta atividade pode estar comprometida no futuro. Isto sem falar no comprometimento com o futuro das gerações vindouras. Então nosso governo vai tentar buscar essa resposta do ponto de vista mais amplo”, detalhou Marina Silva.


Mudanças
A nova ministra defende o redimencionamento da atual política ambiental. “O governo precisa ter uma política ambiental transversal, ela tem que estar presente nas ações de todos os ministérios, sobretudo nos da Reforma Agrária, do Planejamento e da Fazenda para viabilizar os recursos necessários para os investimentos, com a devida preocupação de sustentabilidade”, revela. Ela lembra ainda que haverá a preocupação de criar uma articulação entre os governos estaduais e municipais, valorizando tudo o que puder ser feito em parceria.


“Eu digo que o governo do Lula vai estar recebendo um déficit de participação muito grande de uma sociedade que o tempo todo foi produzindo coisas fantásticas. Estas experiências estão ainda pulverizadas, mas no dia em que tivermos um governo que transforme estas experiências boas em políticas públicas de desenvolvimento, com certeza isso será algo fantástico. Isto é fundamental, ainda mais para o governo de uma figura como o Lula, que vem de uma experiência de organização social, de organização popular, de estímulo à participação e organização da sociedade”, concluiu a nova ministra Marina Silva.


“Saí do convento para servir a Deus e lutar ao lado do povo”


“ São os ricos e soberanos os que detêm a informação. Por isso,
investir em educação para democratizar a informção é fundamental”


“Nós temos que parar de achar que ser desenvolvido é ser como São Paulo.
Cada região tem que buscar o seu caminho”


“A pobreza pode levar a Amazônia a repetir a Colômbia,
onde o povo está se envolvendo com o narcotráfico”


“Eu só fui adquirir uma consciência política e consciência pela
preservação da floresta quando conheci Chico Mendes”


“Eu tenho toda obrigação de ser muito respeitosa com os jovens, pois fui uma
jovem bastante respeitada por pessoas que não tinham obrigação de acreditar em mim”


“Tirar a floresta com a desculpa de desenvolver para acabar com o desemprego é uma mentira. A Bahia não tem mais floresta e está cheio de desempregados”


“Poderia ser criado um ranking para saber qual o estado está devastando mais.
Seria criar uma competição, mostrando o negativo de cada um,
para ver quem é que quer chegar perto do positivo”


“Os países ricos devem compreender que para preservar a Amazônia tem de ser
asseguradas as soberanias dos países que compartilham a região”


“O Brasil precisa parar com essa história de ficar vendo apenas o fantasma
da internacionalização da Amazônia. O Brasil precisa é fazer bem seu dever de casa na região”


“O mundo hoje caminha para o seguinte: ou nós valorizamos as diferenças e
reafirmamos essas diferenças para poder trocar, ou nós vamos – num processo de
globalização – nos tornar uma mesmice homogênea. E onde fica a
beleza da diversificação cultural que a raça humana oferece?”

Meio ambiente

Marina estuda caso do condomínio Barão de Mauá

18 de novembro de 2003

Poluição de aterro com 44 tipos de gases tóxicos atinge moradores do condomínio Barão de Mauá

A ministra Marina Silva, do Meio Ambiente, recebeu em seu gabinete o deputado Wagner Rubinelli (PT-SP) acompanhado dos moradores do condomínio Barão de Mauá, que foi construído sobre um aterro industrial. Explicou o deputado Rubinelli que esse aterro contêm 44 tipos de gases tóxicos, inclusive benzeno, que é cancerígeno. “Viemos até à Ministra para pedir o seu apoio. Sofremos um descaso do poder público municipal e estadual, descaso da justiça, sendo que as rés Paulicoop e a Cooperativa Nosso Teto descumprem todas as ordens judiciais”, informou o advogado Kleber Michel Messeguer Pereira.


A ministra ficou de falar com os presidentes da Cetesb, da Funasa e com o secretário do Meio Ambiente de São Paulo. Pediu, também, que o Procuradoria do Ibama tomasse as providências e se articulasse com os promotores de Justiça sobre o caso. Na foto, além da ministra Marina Silva e o deputado Rubinelli, as moradores Tânia Regina da Silva e Maria Aparecida Bittencourt Russo, acompanhadas do advogado Kleber Michel Messeguer Pereira e do assessor parlamentar Nicéas de Paula Dias.