Tocantins quer ecoturismo com preservação ambiental

12 de abril de 2004

Cantão é um santuário ecológico de rara beleza que está sendo preparado para receber ecoturistas


O turismo é um dos setores que vêm despertando o interesse de brasileiros e estrangeiros que visitam o Tocantins. Palmas, a Capital de arrojada arquitetura e extensas áreas verdes, está prestes a receber o Projeto Orla, um complexo ecoturístico de 18 km de praias. Planejado pelo arquiteto Rui Othake, o Lago de Palmas, a ser formado pelas águas da UHE Luís Eduardo Magalhães, prevê melhoria de qualidade de vida para os 130 mil habitantes e grande leque de atrações para empreendedores do setor turístico.
Além da Capital, já foram definidas outras oito áreas de abrangência como prioritárias para o progresso do turismo no Tocantins. Uma dessas regiões é o Pólo Ecoturístico do Cantão, que foi escolhido em 98 pelo Ministério do Meio Ambiente para receber investimentos do Proecotur – Programa de Desenvolvimento do Ecoturismo na Amazônia Legal. O Programa baseia-se no objetivo central de gerar empregos e atividades econômicas diretas e indiretas para ampliar a arrecadação dos estados da Região Norte.


Cantão
Inúmeros lagos formados pelos rios Araguaia, Coco e Javaés, margeados por praias de areias claras e uma rica vegetação, compõem a paisagem natural do Cantão, localizado na divisa do Tocantins com o Estado do Pará, próximo à Ilha do Bananal. O local de refúgio de uma ampla variedade de animais e de plantas é um dos santuários ecológicos do Estado.
A mistura de ecossistemas em um mesmo local forma a riqueza biológica da região. Três quartos da área total de 89.150 hectares são cobertos por várzeas típicas do cerrado. A vegetação é caracterizada por florestas secas, inundáveis e perenes. Animais de variadas espécies e portes encontram ali um habitat rico em alimentos, seguro e intocado. São antas, capivaras, lobos, jaburus, veados, ariranhas, emas, mutuns, jacarés, tartarugas, onças-pintadas, araras-azuis, gaviões-reais e águias-pescadoras, convivendo em meio a árvores como os jatobás, barus, angicos vermelhos e outras nativas das florestas e do cerrado.
No período de estiagem, entre maio e setembro, os três rios mostram as praias que integram a paisagem junto com matas de galeria, formando incontáveis ilhas com vegetação abundante. É a melhor época para a observação de uma grande quantidade de animais silvestres e também para a prática da pesca esportiva.


Parque Temático
O Pólo ecoturístico do Cantão terá como futuro atrativo o Parque Estadual do Cantão, com área definida pelo Governo de aproximadamente 90 mil hectares, abrangendo os municípios de Caseara e Pium. A área conta com a magnitude do rio Araguaia e suas inúmeras praias de areias brancas e finas, entremeadas por rios afluentes e canais de águas transparentes e rasas.
O Parque deverá oferecer produtos de forte apelo ecológico. Áreas próximas ao módulo ecoturístico vão facilitar trilhas interpretativas para um público diversificado. Arte e educação para crianças e adultos de terceira idade, trilhas científicas para pesquisadores e passeios para portadores de deficiências físicas são alguns dos produtos que podem ser planejados futuramente. Os passeios ecológicos poderão ser feitos em trilhas a cavalo, expedição em canoas ou caiaques, cruzeiros fluviais, safári fotográfico ou mesmo em visita ao projeto quelônios, voltado para conservação de tracajás e tartarugas em período de reprodução.


Plano de manejo
Antes da instalação de qualquer empreendimento no Parque do Cantão, o governador Siqueira Campos garante que deve finalizar os estudos do plano de manejo das espécies. A organização para instalação do Parque leva em conta a implantação de um módulo ecoturístico, com centro de visitantes, aeroporto, museu interpretativo, conjunto de meios de hospedagem, restaurantes, lojas, quiosques, trilhas, cais para embarcações. Concluído o plano de manejo, a iniciativa privada poderá construir equipamentos do Parque.


Mais informações:
Secr. de Turismo do Tocantins:
Tel: (63) 218-2310; 218-2360
E-mail: turismo.to@zaz.com.br


SUMMARY
Tocantins wants ecotourism with environmental preservation


Situated in the biggest transistion area of the American Continent, Tocantins shelters beautiful natural and cultural riches. Amidst the ecosystems of pantanal, Cerrado and the Amazon forest, Governor Siqueira Campos, intends to develop ecoturismo, but guaranteeing the preservation of the biodiversity of the region. For such, he already mapped the touristic paths of the two great rivers Araguaia and Tocantins and is associating the promising future of ecoturismo to a strong politics of private investiment by companies and, above all, environmental.
Tourism is one of the sectors that has been awakening the interest of Brazilians and foreigners who visit Tocantins. Palmas, the Capital of bold architecture and extensive green areas, is about to receive Shore Project, an ecotouristic complex of 18 km of beach. Planned by architect Rui Othake, the Lake of Palmas, to be formed by waters of the UHE Luis Eduardo Magalhães, foresees the improvement of life quality for the 130 thousand inhabitants and a great number of attractions for investors of the touristic sector.
A huge number of lakes formed by the Araguaia, Coco and Javaés rivers, bordered by white sand beaches and a rich vegetation, make up the natural landscape of Cantão, located in the border of Tocantins with the State of Pará, next to Bananal Island. The place of shelter of an wide variety of animals and plants is one of the ecological sanctuaries of the State.