Carlos Schneider: o colecionador de nascentes

26 de fevereiro de 2004

O excelente estado de conservação dos recursos naturais das fazendas de preservação do empresário Carlos Schneider tem despertado a cobiça de visitantes indesejáveis, como caçadores e palmiteiros. Luiz Carlos Brückheimer, economista e braço direito do empresário nessa empreitada, explica que tal situação deriva sobretudo do aumento do desemprego na cidade Joinville, que leva parte da… Ver artigo

O excelente estado de conservação dos recursos naturais das fazendas de preservação do empresário Carlos Schneider tem despertado a cobiça de visitantes indesejáveis, como caçadores e palmiteiros. Luiz Carlos Brückheimer, economista e braço direito do empresário nessa empreitada, explica que tal situação deriva sobretudo do aumento do desemprego na cidade Joinville, que leva parte da população rural a buscar meios de sobrevivência no extrativismo clandestino. Com mais palmiteiros em ação, o palmito juçara escasseia rapidamente nas áreas desguarnecidas, aumentando a cobiça sobre matas bem conservadas, como as do senhor Schneider. 


Para protegê-las, o empresário equipou um grupo de oito pessoas, que dispõe de dois veículos para fiscalizar e reprimir a entrada de predadores em suas propriedades. Nas áreas da Serra do Quiriri, as atividades de vigilância são coordenadas por Antonio da Rocha, um ex-caçador e ex-palmiteiro de 45 anos, profundo conhecedor das matas e das táticas usadas pelos invasores. 


A estratégia de defesa exige incursões semanais nas propriedades e em seu entorno, uma rede de informantes espalhados pela região e o apoio da Polícia Ambiental de Santa Catarina. Segundo Brückheimer, essa estrutura consome R$ 11 mil mensais, custo que se eleva em 20% quando é necessário organizar expedições para reprimir invasores. Ainda assim, em fevereiro último quatro palmiteiros foram flagrados com 471 “cabeças” de palmito, resultado de três dias de extração em uma de suas fazendas.


A pressão sobre os as nascentes e os remanescentes de Mata Atlântica no norte de Santa Catarina é constante. Por isso, Carlos Schneider considera urgente garantir meios para conservá-las. O empresário está em busca de parceiros, nacionais e estrangeiros, dispostos a investir na proteção dos mananciais e dos ecossistemas do norte de Santa Catarina. “Não faço questão que seja nosso, o importante é conservar”, afirma o empresário. 


Mais informações: Para aqueles que queiram se juntar a esse bem-sucedido esforço de conservação, Luiz Carlos Brückheimer se coloca à disposição no telefone (47) 441-3560, ou pelo email assessoria@ciser.com.br .