Parque da Serra dos Órgãos celebra seu 60º aniversário

8 de agosto de 2005

Othon Leonardos: Saudades de um cometa na escalada A cidade de Teresópolis (RJ) já iniciou os preparativos para a comemoração dos 60 anos do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. O evento será realizado entre os dias 2 e 4 de abril, feriado de Páscoa, com palestras, debates e até uma etapa do Campeonato Brasileiro… Ver artigo




Othon Leonardos: Saudades de um cometa na escalada

A cidade de Teresópolis (RJ) já iniciou os preparativos para a comemoração dos 60 anos do Parque Nacional da Serra dos Órgãos. O evento será realizado entre os dias 2 e 4 de abril, feriado de Páscoa, com palestras, debates e até uma etapa do Campeonato Brasileiro de Escalada Esportiva – categorias profissional e amador.


Como não poderia deixar de acontecer, será uma boa oportunidade para homenagear Mozart Catão, Alexandre Oliveira e Othon Leonardos, mortos em fevereiro de 1998 no Monte Aconcágua. Para isso, o Parque Nacional está providenciando uma placa em memória aos alpinistas e a Viação Dedo de Deus, empresa local de transporte público, deve inaugurar em breve um busto em tamanho natural de Mozart, inteiramente feito de bronze. Vale lembrar que Catão, primeiro brasileiro a subir o Everest, e Alexandre nasceram em Teresópolis e que Leonardos era brasiliense.


As palestras prometem ser o ponto forte do evento. Já foram confirmadas as presenças dos principais escaladores do país, entre eles o paranaense Ronaldo Franzen Júnior, membro do Corpo de Socorro em Montanha (COSMO) do Parque Estadual do Marumbi (PR); a carioca Helena Artmann, que está tentando completar o projeto “Sete Cumes”; e os paulistas Paulo Gil, dono da academia de escalada indoor “90 Graus”, e Tomás Gridd Pappi, presidente do Programa Brasileiro de Desenvolvimento da Escalada Esportiva (Pro-Esportiva).


Já o Campeonato Brasileiro marcará o início da temporada de escalada do Centro Excursionista Teresopolitano, reunindo grandes nomes do esporte nacional e distribuindo R$ 6 mil em prêmios. As inscrições podem ser feitas até o dia 20 de março. Após o encerramento da competição, o muro construído será doado à cidade.
Quem quiser mais informações sobre o aniversário do Parque Nacional ou sobre inscrições para o campeonato pode ligar para (011) 9137.6305 / 3666.6118 / 3661.1492 ou enviar um e.mail para davini@sti.com.br. A festa está sendo organizada pela ATM Eventos, com apoio do Clube Excursionista Teresopolitano, da Secretaria Municipal de Esportes e Lazer e do próprio PARNA/SO.


Relevo, fauna e flora
Criado em 30 de novembro de 1939, o Parque Nacional da Serra dos Órgãos localiza-se em uma área de 11 mil hectares que abrange os municípios fluminenses de Petrópolis, Magé, Guapi-Mirim e Teresópolis. Este último ganhou o título de “capital brasileira do montanhismo” por seu relevo abrupto, onde predominam paredões assimétricos que favorecem a prática de caminhadas e escaladas. Seu símbolo é o Dedo de Deus, mas existem diversas outras belas montanhas, como Escalavrado, Dedo de Nossa Senhora, Cabeça de Peixe, Verruga do Frade, Agulha do Diabo, Papudo e Açu. O ponto mais alto da Serra é a Pedra do Sino, que fica a 2.263 metros de altitude.


A fauna e flora da região, típicas de Floresta Atlântica, são as mais ricas em biodiversidade do país. Entre os animais, os insetos são sem dúvida os mais numerosos. Há bichos-pau, louva-a-deuses, percevejos, cigarras, besouros, formigas e borboletas. Logo em seguida, vêm as aves: gaviões, jacus, jacutingas, mutuns, inambus, sabiás, pintassilgos, araçaris, beija-flores, maritacas e periquitos. Também podem ser encontrados diferentes tipos de sapos e rãs, entre eles o pequeno sapo-pulga. Trata-se do menor anfíbio conhecido, com apenas 10 milímetros,  exclusivo das matas do Rio de Janeiro.


Os mamíferos do Parque Nacional são os representantes da fauna que mais sofreram com os seguidos desmatamentos. Além de perderem seu ambiente natural, foram constantemente perseguidos antes da transformação da área em patrimônio ecológico. Mesmo assim, até hoje ainda podemos encontrar algumas espécies de macacos – como o guariba e o mono-carvoeiro, maior primata das Américas -, além de tatus, pacas, caxinguelês, porcos do mato – caititus e queixadas -, veados e gatos maracajá.
Já entre os vegetais destacam-se palmeiras, bambus, taquaras, bromélias, orquídeas, begônias, samambaias, diversas árvores frutíferas e quaresmeiras. Espécies de grande porte também não faltam: jequitibás, jacarandás, ipês, cedros, canelas e maçarandubas, que constituem um patrimônio natural único.


Mais informações:
Tel: (011) 9137-6305 / 3666-6118 / 3661-1492
E-mail: davini@sti.com.br

Ecoturismo e preservação

Serra da Capivara

26 de janeiro de 2004

Berço do Homem americano é modelo de parque







Vista magnífica do sítio que ajudou a mudar as teorias de ocupação da América. Esses paredões, com altura superior a um prédio de cinco andares, podem ser escalados através de uma escadinha

O Centro de Visitantes está bem dentro da vegetação

Pedra Furada é a
paisagem-símbolo do Parque da Serra da Capivara

Nas escarpas, as diferentes eras geológicas marcadas pela mudança de cor

Pinturas afetadas pela erosão. O trabalho de proteção
e contenção já está sendo realizado

A gravura principal (a capivara grande e a pequena sob ela) representa uma cena de parto e é símbolo do parque



Parque Nacional da
Serra da Capivara


Data de criação: 5 de junho de 1979, pelo decreto nº83548
Localização: Piauí – abrange os municípios de São Raimndo Nonato, São João do Piauí, Cel. José Dias e Canto do Buriti
Área: 97.933 Perímetro: 300 km
Clima: tropical de zona equatorial, quente semi-árido
Chuvas: entre 500 e 750mm anuais
Relevo: tabular, com escarpas abruptas
Mais informações: Praça do Rotary s/n – Bairro Santa Luzia – 64770-000 – São Raimundo Nonato – PI Telefax: (86) 582-2031


O Parque Nacional da Serra da Capivara permanece aberto das 6 às 18 horas. Tem quatro acessos com guaritas permanentemente vigiadas. O principal acesso é pelo sítio do Mocó (via São Raimundo Nonato), que dispõe de centro de visitante, camping, dormitórios (coletivos e individuais), cozinha com estrutura completa, banheiros, lanchonete, churrasqueira, loja de souvenirs e telefone. Quem faz questão de maior conforto pode contar com o charmoso hotel Capivara, em Nonato. Ao contrário do que acontece em muitas unidades de conservação, ninguém entra lá sem ser acompanhado de um guia treinado pela Fundham. A vigilância é constante. Dezenas de guarda-parques, em geral ex-caçadores convertidos à filosofia preservacionista, deslocam-se pelo parque de moto e armados.


Os visitantes ainda contam com o Museu do Homem Americano, ligado a Fundham, nos arredores de Nonato, uma espécie de miragem cultural encravada na caatinga. Considerado um dos mais ricos acervos de arqueológicos do País, ele reconstrói a evolução dos grupos humanos que viveram na Capivara nos últimos 50 mil anos.


Se a estrutura do parque, bancada por recursos de projetos de cooperação junto aos governos da França, Japão, Itália, do Banco Mundial e da iniciativa privada, é de dar inveja, o maior orgulho mesmo dos seus administradores é o projeto de desenvolvimento sustentável que a Fundham vem criando no entorno do parque, por meio dos chamados núcleos de apoio à comunidade. Eles desenvolvem atividades econômicas, educativas e sociais, envolvendo apicultura, artesanato, confecção, olaria, escolas que atendem mais de 500 crianças, atendimento médico e formação profissional. A exploração racional do ecoturismo é a aposta que se faz para o desenvolvimento da comunidade e a conseqüente preservação do parque.


Museu a céu aberto
O Parque Nacional da Capivara é uma espécie de gigantesco museu a céu aberto. Tem 130 mil hectares, que guarda um acervo de cerca de 500 sítios arqueológicos, dos quais 263 guardam pinturas, que somam 23 mil figuras com até 12 mil anos, o que o torna detentor do maior acervo do gênero no continente americano.


A quantidade, qualidade estética e antiguidade das pinturas o coloca como um dos mais significativos do mundo. Importância esta que lhe valeu o título de Patrimônio Cultural da Humanidade, concedido pela Unesco há 12 anos. Só o sítio Baixão da Vaca tem 750 gravuras, recorde na região.


Mas a importância do parque não se limita a grandiosidade de seu acervo. Pesquisas que consumiram cerca de dez anos, envolvendo uma fogueira estruturada, obrigou a comunidade científica a revisar a teoria então predominante que sustentava que a ocupação humana na América se dera a 30 mil anos, pelo norte. Os vestígios da Capivara sustentam que ela se deu há 48 mil anos.
A região, composta por canyons com paredões de até 150 metros, chapadas e planícies, que já foi uma exuberante floresta tropical, ainda guarda resquícios dessa exuberância pelos dos jacarandás e imbaúbas, espécies atípicas na caatinga e dos fósseis de mastodontes, tigres dentes-de-sabre, tatus e preguiças gigantes, lhamas e cavalos encontrados nas grutas calcárias e desaparecidos há cerca de 12 mil anos em função de alterações climáticas.


As pinturas da região são fortemente narrativas, uma característica da chamada tradição Nordeste e envolve cenas do cotidiano como sexo, parto, representações da flora e fauna, rituais místicos e caçadas. “A técnica era tão apurada que não se registra tinta escorrida em nenhum sítio”, observa Alan Jardel Negreiros, que já trabalhou com as escavações arqueológicas e virou guia. Os tons das pinturas são ricos: preto, branco, marron, amarelo, vermelho, cinza, prata e até um inusitado tom azul, sendo o primeiro sítio do mundo a registrar essa cor.


O retorno da fauna
Duas décadas atrás a fauna estava praticamente dizimada em função da caça intensiva. Levantamentos recentes têm mostrado um aumento significativo de espécies, inclusive algumas ameaçadas de extinção, como arara canindé e tamanduá-bandeira. Já foram identificadas 286 espécies de aves, entre elas arara, urubu-rei, jacu, nambu, águia chilena, seriema e papagaio. Dezessete espécies de serpentes e mais de 300 de flora.


Entre os animais existentes observa-se mocó, cotia, onça, sagüi, guariba, macaco-prego e raposa. As andorinhas migratórias, que se abrigam nas escarpas dos canyons e paredões de arenito, dão um espetáculo à parte ao entardecer. Acredita-se que a intensificação da vigilância e o alimento farto fornecido por centenas de fruteiras, herança das fazendas desapropriadas para formação do parque, sejam fatores preponderantes para o retorno da fauna.


Como um cabra da peste
Por trás da criação, estruturação e o elevado conceito do parque (ou à frente dele) sempre esteve uma paulista baixinha, de origem francesa e a coragem típica dos “cabra da peste” nordestinos, a lendária arqueóloga Niède Guidon, que chegou a área na década de 70.


As primeiras expedições, em colaboração com o governo francês, foram iniciadas em 1973, mas o parque só seria criado em 1979, a pedido dos pesquisadores, com o objetivo de preservar o acervo arqueológico e a caatinga.


Em 1986 foi criada a Fundham que agrega uma série de universidades e centros de pesquisas brasileiros e franceses. Há quase dez anos esta entidade assinou convênio de gestão conjunta com o Ibama, o que permanece até hoje. Entre os problemas locais observados estão a deteroriação de alguns sítios pela ação do tempo nas rochas areníticas e a ação de caçadores.


A dedicação incontestável de Niède transformou-a numa lenda viva daquelas bandas e lhe rendeu não só reconhecimento, mas também inimigos no velho estilo nordestino. Chegou a receber ameaças de morte. Peitou o agressor e saiu viva.


A mesma coragem parece acompanhar muitos dos seus aliados, mas a sorte nem tanto. É o caso de uma funcionária do parque que foi morta por um caçador (seu irmão) enquanto defendia a integridade do berço do homem americano.