Tiririca mutilado

Parque Estadual da Serra da Tiririca

20 de agosto de 2009

O governador errou e a justiça estadual acertou

A Constituição brasileira não deixa erro de interpretação quanto ao fato da inconstitucionalidade do referido decreto, quando observa-se em seu artigo 225, parágrafo 1º, inciso III, que a alteração de um espaço territorial especialmente protegido só é permitida através de lei. No caso, o decreto em questão alterou a lei estadual nº 5.079, de 05 de setembro de 2007, que aprovou o perímetro definitivo do Parque Estadual da Serra da Tiririca, acrescendo 181 hectares.
 Também a lei federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000, que instituiu o Sistema Nacional de Unidades de Conservação, em seu artigo 22, parágrafo 6º, não deixa dúvida que somente por lei estadual, e não decreto, poderia ser ampliado o perímetro definitivo do Parque Estadual da Serra da Tiririca.
 A incerteza jurídica por parte do Governo estadual em sua iniciativa conservacionista a favor da laguna de Itaipu ficou evidente pela ausência de medidas administrativas, após um ano e três meses do ato de ampliação do Parque, que garantissem sua regularização fundiária, averbação junto ao registro de imóveis, demarcação e a implantação de estrutura de fiscalização adequadas, o que, evidentemente, contrariava a Constituição do Estado do Rio de Janeiro em seus artigos 268 e 269.
 A ampliação dos limites do Parque Estadual da Serra da Tiririca afetava direitos pré-existentes, no caso, o direito de propriedade, o que exigia a aprovação de uma lei, e não um decreto.
 As áreas úmidas da laguna de Itaipu continuam sob ameaça da indústria imobiliária em Niterói. Única alternativa para garantir sua efetiva proteção é o governador reconhecer o ato jurídico imperfeito que subscreveu, declinando de qualquer recurso judicial da decisão ora proferida, e encaminhar em regime de urgência projeto de lei para a Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.
Assim determinar a inclusão das áreas naturais previstas no decreto anulado ao patrimônio do Parque Estadual da Serra da Tiririca. Caso contrário, ficará a impressão que a população fluminense foi enganada.


 
*Gerhard Sardo é jornalista, subsecretário municipal de Niterói, membro do Conselho Consultivo do Parque Estadual da Serra da Tiririca e da Câmara Técnica de Biomas e Áreas Protegidas do CONEMA.
gerhard.sardo@conectacom.net