Vazamento nuclear

Ibama suspende trabalhos da INB em Caetité, BA

3 de março de 2004

A INB – Indústrias Nucleares do Brasil – escondeu informações sobre vazamento de urânio

 


Reservatório onde aconteceu o vazamento de urânio

O Ibama suspendeu a licença de instalação 33/98 da INB – Industrias Nucleares do Brasil- Caetité- região sudoeste da Bahia, a cerca de 800 quilômetros de Salvador, depois de confirmado o vazamento de licor uranífero, num dos reservatórios da empresa. O Complexo Uranífero Mínero-Industrial de Lagoa Real, de responsabilidade da INB, está implantado em Caetité numa área de 1,2 mil hectares com investimentos da ordem de US$ 23 milhões. Objetiva produzir 300 toneladas/ano de concentrado de urânio, o chamado Yellow Cake, durante 15 anos, visando atender a demanda das Usinas Nucleares Angra I e II, além do Programa de Desenvolvimento Tecnológico Nuclear.

O vazamento ocorreu em abril, denunciado em julho e divulgado pela imprensa dia 24 de outubro, após visita à INB de uma comitiva composta por ambientalistas, autoridades, jornalistas e representantes da comunidade local. A denúncia foi feita por nove ex-funcionários da INB, demitidos em junho, ao representante do Ministério Público Estadual na comarca de Caetité, promotor de justiça Jailson Trindade Neves. Os nove trabalhadores, como vários outros que ainda trabalham no complexo, eram funcionários da empresa LASEV – Conservação de Imóveis e Serviços, sediada em Salvador, que disponibiliza recursos humanos para a INB, mas não tem nenhuma experiência no setor. O Centro de Recursos Ambientais – (CRA), aplicou uma multa a INB no valor máximo da legislação ambiental da Bahia de R$ 119.130,00, pelo fato da empresa não ter comunicado a ocorrência 24 horas após o acidente. 

Perigo nuclear

A reserva de urânio na região de Lagoa Real/Caetité está estimada em torno de 93.000 ton. de óxido de urânio. O projeto absorve atualmente 130 trabalhadores, menos da metade do prometido. Até o momento, segundo os técnicos da INB, já foram produzidas 10 ton. de Yellow Cake que ainda se encontram armazenados na unidade industrial. A previsão é que ele venha a ser transportado para os portos de Ilhéus ou Salvador e depois para o exterior, a fim de ser enriquecido, para então virar combustível nas usinas. Pelas informações, ainda não existe um plano de transporte aprovado. As estradas que ligam a Bahia a outros estados, como Rio de Janeiro, estão em péssimas condições e registram altos índices de acidentes de veículos.

O Gambá, juntamente com o Movimento Deputado Paulo Jakson (morto em acidente da região) e outras entidades, criou a campanha "Lugar de Urânio é Debaixo da Terra" visando informar a sociedade local, regional e nacional dos perigos que a exploração de urânio representa e que o caminho da energia nuclear é indesejável. Não é a toa que nos Estados Unidos regiões de minas de urânio são declaradas "Áreas Ambientalmente Sacrificadas", tal é a contaminação constatada, após a exploração. 


Reservatório onde aconteceu o vazamento de urânio


Rocha de onde se extrai o urânio

Mais informações:
Comissão de Meio Ambiente Assembléia-BA
Fone (71) 370-7149 ou 
email: eduarte@alba.ba.gov.br
Gambá – Grupo Ambientalista da Bahia: (71) 240- 6822
e-mail: gamba@ongba.org.br